Escolha uma Página
A inigualável pizza napoletana: patrimônio da humanidade

A inigualável pizza napoletana: patrimônio da humanidade

A pizza é um dos pratos mais icônicos da culinária italiana e, sem dúvida, um dos mais amados em todo o mundo. Uma das variedades mais autênticas e reverenciadas é a Pizza Napoletana, que tem raízes profundas na cidade de Nápoles, no sul da Itália. Neste artigo, exploraremos a origem dessa tradição e as diferentes variedades dessa pizza que conquistou o paladar global e se tornou, simplesmente, um Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade, nomeado pela UNESCO.

Origens da Pizza Napoletana

A história da Pizza Napoletana remonta ao século XVII, quando a pizza era vendida principalmente nas ruas de Nápoles. As camadas mais pobres da sociedade napolitana apreciavam esse alimento acessível e saboroso, e a receita das pizzas de Nápoles matavam a fome dos diversos trabalhadores, conhecidos por “lazzaroni”. Esse status da pizza só viria a mudar muito depois, com a unificação da Itália – mas isso é uma história para um próximo artigo!

A pizza que conhecemos hoje como Pizza Napoletana tinha características diferentes naquela época. Era uma massa simples de pão, geralmente coberta com ingredientes como tomate, alho, manjericão e queijo, às vezes com queijo caciocavallo, outras vezes com anchovas.

Foi somente no final do século XIX que a pizza começou a evoluir em direção à sua forma atual. A adição do queijo mozzarella, uma cobertura de tomate, manjericão e azeite de oliva, é atribuída a um pizzaiolo napolitano chamado Raffaele Esposito. Diz a lenda que ele criou essa e outras pizzas em homenagem à rainha Margherita de Saboia, em 1889, incorporando as cores da bandeira italiana em sua receita. Assim, nascia a Pizza Margherita com a receita escolhida como favorita pela rainha, e que rodaria o mundo marcando a essência e a tradição da Pizza Napoletana.

Características específicas da Pizza Napoletana

A Pizza Napoletana é conhecida por suas características distintas que a diferenciam de outras variedades de pizza. Primeiramente, a massa deve ser fina, elástica e macia, com uma borda ligeiramente inflada. A fermentação natural da massa é essencial para seu sabor e textura únicos. E a utilização de farinha de grano duro, água, sal e fermento natural é um aspecto fundamental da autenticidade da Pizza Napoletana.

A cobertura da Pizza Napoletana é simples e tradicional. Ela é composta por tomates San Marzano, que são famosos por seu sabor adocicado e baixa acidez, mussarela de búfala, manjericão fresco e azeite de oliva extra virgem. A combinação desses ingredientes frescos e de alta qualidade resulta em uma explosão de sabores irresistíveis. Outra característica importante é o método de cozimento. A Pizza Napoletana é tradicionalmente assada em forno a lenha a uma temperatura muito alta, geralmente entre 430°C e 485°C. Isso permite que a pizza seja cozida rapidamente, em apenas alguns minutos, criando uma base crocante e uma borda levemente chamuscada. Essa técnica confere à pizza uma textura delicada e sabor inigualável.

Variedades regionais

Embora a pizza margherita seja a variação mais famosa da pizza napoletana, existem outras versões regionais que merecem reconhecimento. Uma delas é a chamada pizza marinara, que leva tomate, alho, azeite de oliva, orégano e, às vezes, anchovas. Ela é uma opção com um equilíbrio de sabores bastante apurado.

Outra variedade notável é a pizza capricciosa, que inclui mussarela, presunto cozido, cogumelos, azeitonas e alcachofras. Ela é conhecida por sua mistura de sabores e ingredientes frescos.

Na região de Campania, a pizza margherita ganha uma versão especial chamada “Pizza Margherita Extra”, que utiliza ingredientes considerados ainda mais “premium”, como tomates de San Marzano DOP e mussarela de búfala Campana DOP. (DOP significa Denominação de Origem Protegida e se refere a indicações geográficas definidas na legislação da União Europeia para proteger nomes das cozinhas regionais. É o caso do pomodorino vesuviano, que vimos no artigo Poesia ao redor do Vesúvio.)

La Vera Pizza Napoletana: reconhecimento internacional e proteção

A Pizza Napoletana conquistou o reconhecimento internacional e foi inscrita na lista de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO em 2017. Isso reflete a importância cultural e histórica da pizza na sociedade italiana e global.

Para garantir a autenticidade da Pizza Napoletana, a Associação de Pizza Napoletana (AVPN) estabeleceu diretrizes rigorosas para pizzaiolos e restaurantes. Essas diretrizes abrangem a escolha de ingredientes de qualidade, a preparação adequada da massa, a técnica de cozimento em forno a lenha e a apresentação final da pizza. Isso assegura que os amantes da Pizza Napoletana possam desfrutar de uma experiência autêntica e de alta qualidade em todo o mundo.

Em resumo, a Pizza Napoletana é uma tradição culinária que se originou em Nápoles e conquistou o mundo com suas características distintas e um sabor inigualável. Desde a icônica Pizza Margherita até as variações regionais, essa pizza é uma verdadeira obra-prima da gastronomia italiana. Portanto, ao saborear uma autêntica Pizza Napoletana, você não está apenas degustando um prato delicioso, mas também celebrando uma parte essencial da rica herança culinária italiana.
Deu água na boca, né? Agora, antes de sair por aí procurando a pizzaria mais próxima de você, aproveite para assistir ao vídeo que o Prof. Darius gravou especialmente em solo italiano, em Treviso, no nordeste da Itália, localizada na região do Vêneto! Ele “invadiu” a cozinha de uma pizzaria para mostrar pra você o que é que existe de tão especial na pizza italiana!

Buona visione! E buon appetito!

A presto!

Os burgos medievais italianos: tesouros das montanhas

Os burgos medievais italianos: tesouros das montanhas

Burgos italianos são cidades fortificadas, tesouros da civilização medieval que a Itália abriga nos topos das colinas, feito miniaturas saídas dos sonhos. Essas cidades estão localizadas nos topos das montanhas por uma boa razão, como veremos ao longo do texto de hoje. Nos burgos, encontramos ruas estreitas e uma arquitetura encantadora, com edificações que há séculos são testemunhas silenciosas do florescimento da cultura e da sobrevivência de uma sociedade que enfrentou desafios do período das invasões dos bárbaros.

Burgos medievais: vimos de perto!

Em uma de nossas viagens, descobrimos uma Cidade Fantasma, localizada no Monte Antuni, que nos ensinou muito sobre o período de formação dos burgos.

Aprendemos com o nosso guia Giovanni Giovanelli que os burgos foram vilarejos medievais construídos geralmente no topo das colinas, por conta de sua posição estratégica na defesa contra invasões, que eram constantes na Idade Média. Foi um período da história chamado de “encastelamento”. Era um tempo em que os castelos não eram necessariamente luxuosos, como aqueles que imaginamos quando pensamos na aristocracia: eram construções que prestavam apenas ao objetivo de defender o povo nos momentos de perigo.

Uma era de fragmentação

Durante a Idade Média, a Itália não era uma nação unificada, como a conhecemos hoje. Era uma terra fragmentada, dividida em pequenos reinos e cidades-estado. Foi nesse cenário que os burgos medievais começaram a surgir. Essas cidades fortificadas eram construídas em colinas e montanhas, estrategicamente posicionadas para defesa contra invasões. Suas muralhas imponentes e portões maciços eram testemunhas de uma época de incerteza e conflito.

Por isso, caminhar pelas ruas de um burgo medieval é como fazer uma jornada no tempo. Ruas de paralelepípedos, casas de pedra e praças pitorescas criam uma atmosfera encantadora. Muitos desses burgos são notáveis também por suas igrejas ornamentadas, cujas fachadas e interiores são testemunhos da devoção religiosa e do talento artístico da época, que resistiam a um período de sobrevivência, muitas vezes graças às contribuições dos cidadãos do burgo, que se juntavam em doações para garantir que o espaço público contasse com a construção de uma área de comunhão. Nesse caso, a fé se provava mais uma aliada, tanto do ponto de vista da fé, como nas questões práticas da defesa física do espaço. As igrejas antigas faziam parte da fortificação, como um complexo defensivo que podia se unir às torres de um burgo, criando um único corpo de abrigo e defesa. Um bom exemplo disso é a Igreja de San Giovanni Evangelista que pudemos ver de perto, em Castel di Tora.

Comércio, cultura e os riscos das construções no topo das colinas

Os burgos medievais não eram apenas fortalezas defensivas, mas também centros de comércio e cultura. Suas localizações estratégicas ao longo de rotas comerciais importantes permitiam o florescimento do comércio. Os artesãos locais produziam artigos de luxo, como jóias, tapeçarias e cerâmica, que eram exportados para outras regiões da Europa.

Além disso, essas cidades fortificadas eram frequentemente centros de aprendizado e cultura. Mosteiros e escolas desempenhavam um papel fundamental na preservação do conhecimento e na educação. Os manuscritos iluminados e os tratados filosóficos produzidos nesses burgos medievais ainda são estudados e admirados hoje em dia.

Civita di Bagnoregio

 Civita di Bagnoregio
Civita di Bagnoregio

Outro burgo impressionante que pudemos conhecer de perto é o da Civita di Bagnoregio.

Imagine uma cidade medieval nas nuvens, correndo o risco de desaparecer porque foi construída no topo de uma montanha que está se desfazendo devido à erosão. Ela existe, está na Itália e nós tivemos a chance de aprender muito com as pessoas que encontramos no local, como um geólogo, com quem cruzamos por acaso, e que pôde nos explicar em detalhes sobre o processo de erosão que ameaça a existência desse burgo.

Civita di Bagnoregio na Itália

Bagnoregio é uma comuna italiana de apenas 3 mil habitantes, que está ligada ao topo de uma montanha por uma ponte. Do outro lado da ponte existe uma outra cidade, Civita di Bagnoregio, uma espécie de cidadezinha-satélite, localizada no topo de uma elevação montanhosa que os geólogos chamam de “sperone tufaceo” (esporão tufáceo). Para entrarmos, só mesmo atravessando a pé a ponte, sabendo que do outro lado nos espera uma história sem igual em todo o mundo!

Civita di Bagnoregio foi onde nasceu São Boaventura, em 1274. O local onde existia sua casa de infância já caiu à beira do precipício há muito tempo, em função do ritmo acelerado da erosão, que faz as camadas de barro e pedra deslizarem. Aos poucos, a cidade se torna uma ilha. Por tudo isso, é claro que poucas pessoas iriam querer continuar vivendo ali. A população hoje varia entre apenas cerca de 12 pessoas no inverno, e aproximadamente 100 no verão!

Para assistir nossa visita a esse lugar incrível, é só clicar aqui!

Buona visione!

A presto!

Confetti: a origem e o preparo milenar das amêndoas açucaradas

Confetti: a origem e o preparo milenar das amêndoas açucaradas

Confetti colorido

A amêndoa açucarada, tão presente nas tradições italianas, como em casamentos, é uma sobremesa de origens muito antigas. Seu nome deriva do latim “confectum”, que é o passado de “conficere”, que significa preparar, embalar. Trata-se de um preparo elaborado de amêndoas – a mais conhecida e apreciada é a “pizzuta d’Avola” – coberta de açúcar. Já na Idade Média este termo “confectum” referia-se a compotas ou frutos secos cobertos de mel.

A origem do Confetti

Originalmente, a amêndoa era embrulhada numa mistura sólida de mel e farinha. E podemos encontrar vestígios históricos a este respeito nos escritos relativos à família dos Fábios, os Fabii (447 a.C.), e nos escritos do gastrônomo Apício, Marcus Gavius Apicius (século I d.C.), amigo do imperador Tibério.

O doce moderno, porém, é muito mais recente e deve seu nascimento à difusão do açúcar quando começou a ser importado das Índias Ocidentais. Foi a partir desse momento que se estabeleceu a receita transmitida até aos dias de hoje.

As primeiras imagens de confetes modernos datam da Idade Média e encontram-se na capela de Teodelinda da Catedral de Monza, onde aparecem pela primeira vez no afresco “Banquete de Casamento de Teodelinda” do século XIV.

Afresco Fratelli Zavattari de Banchetto di Nozze
Afresco de 1444. “Fratelli Zavattari, Banchetto di nozze”, localizado na Cappella di Teodolinda, no Duomo di monza

A amêndoa açucarada é retratada por diversos artistas como sobremesa ideal para presentear convidados ilustres em ocasiões importantes. Assim aparece na literatura, por exemplo, de Boccaccio, Leopardi, Carducci, Verga, Manzoni e Goethe.

As amêndoas confeitadas têm um profundo significado simbólico. A amêndoa é uma noz dura e amarga, simbolizando os desafios e as adversidades que fazem parte da vida. No entanto, o açúcar que envolve a amêndoa representa a doçura da vida e as recompensas que vêm ao enfrentar esses desafios. A ideia de pureza da cor branca, por exemplo, é o que conduz a escolha de qual amêndoa servir em sacramentos, como comunhão e casamento; é quando então opta-se pela amêndoa açucarada de cor branca.

Confetti - Amêndoas Açucaradas

De modo geral, oferecer amêndoas confeitadas aos convidados representa o desejo do casal recém-casado de compartilhar tanto os momentos difíceis quanto os felizes da vida.

O preparo

Preparo das amêndoas
Preparo das amêndoas

As amêndoas açucaradas são produzidas em caldeiras, de cobre ou aço, chamadas “bassine” . Elas se distinguem pelo formato, que pode ser em forma de pêra ou de tambor (tamburo), e pelo tipo de rotação. Durante o processamento, a caldeira gira continuamente.

Caldeira para preparo de amêndoas

Após a fase de revestimento com açúcar, a superfície fica primeiro enrugada e irregular, só depois é iniciada a fase de alisamento e polimento. A confecção é um processo muito trabalhoso, que pode levar até dois ou três dias.

As amêndoas confeitadas são tradicionalmente oferecidas em grupos de cinco, simbolizando cinco desejos essenciais: saúde, riqueza, felicidade, fertilidade e vida longa. Cada desejo é representado por uma amêndoa, e a combinação de cinco amêndoas simboliza a esperança de uma vida plena e próspera juntos.

Cores das amêndoas

As amêndoas confeitadas também vêm em uma variedade de cores brilhantes, cada uma com seu próprio significado simbólico. O branco, por exemplo, está associado à pureza e à união do casal, enquanto o azul representa a fidelidade e o rosa simboliza o amor e a gratidão. A escolha das cores pode ser coordenada com a paleta de cores da decoração da festa de casamento, adicionando um toque de elegância e harmonia ao evento.

Confetti

Na tradição, as cores das amêndoas açucaradas acompanham a comemoração de cada marco da passagem do tempo dos casados:

  • 1 ano – Casamento de Algodão: Rosa
  • 5 anos – Casamento de Seda: Fúcsia
  • 10 anos – Casamento de Estanho: Amarelo
  • 15 anos – Casamento de Porcelana: Bege
  • 20 anos – Casamento de Cristal: Claro
  • 25 anos – Casamento de Prata: Prata
  • 30 anos – Casamento de Pérola : Mar
  • 40 anos – Bodas Esmeralda: Verde
  • 45 anos – Bodas Rubi: Vermelho
  • 50 anos – Bodas Douradas: Ouro

Embora as amêndoas confeitadas sejam mais comuns em casamentos, elas também são usadas em outras celebrações na Itália, como batizados, comunhões e aniversários. 

Curiosidades:

  • #1 O lançamento dos confetes na saída da igreja é denominado “sciarra” (do termo siciliano “litirare”, que significa algo como “briga”), já que as crianças corriam para recolher os confetes fazendo bagunça.
  • #2 Durante a cerimônia de casamento, os confetes são geralmente distribuídos pela própria noiva, que, segundo a tradição, deve retirá-los com uma grande colher de prata de um recipiente também feito de prata. E o recipiente, por sua vez, é entregue a ela pelo noivo, conforme se deslocam entre as mesas.

E você, gosta do sabor dessas amêndoas. Na próxima vez que puder, provar, lembre-se de todo o trajeto histórico que a tradição precisou seguir até chegar ao nosso paladar!

Continue de olho nas nossas publicações nas redes sociais da ITALICA no Instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

“Funiculì, Funiculà”: a canção que sobreviveu às erupções do Vesúvio!

“Funiculì, Funiculà”: a canção que sobreviveu às erupções do Vesúvio!

A música “Funiculì, Funiculà” é uma das canções mais icônicas e alegres da Itália, conhecida por seu ritmo cativante e letras animadas. Difícil encontrar quem já não tenha escutado em algum momento da vida. Geralmente é associada à culinária italiana, muito ouvida em momentos de demonstração do que a Itália exportou para o mundo. Hoje poderemos ir além dessas impressões gerais, para conhecer a origem e os significados. Esta canção, que se tornou um hino não oficial de Nápoles e uma parte importante da cultura musical italiana, tem uma história fascinante de composição, um autor talentoso e significados profundos em sua letra.

Atrações funicular Itália
Partitura Funiculi funicula

A história de “Funiculì, Funiculà”

A história remonta ao final do século XIX, mais precisamente ao ano de 1880. Ela foi escrita como um hino para celebrar a inauguração de um novo funicular (um tipo de transporte ferroviário inclinado) que conectava a cidade costeira de Nápoles ao topo do Monte Vesúvio, um vulcão ativo famoso em todo o mundo.

Atrações funiculare Itália

Giuseppe Turco

O autor desta alegre composição é Giuseppe Turco, um jornalista e poeta napolitano, conhecido também como Peppino Turco. Turco foi encarregado de criar uma música festiva para a cerimônia de inauguração do funicular. Em parceria com o talentoso compositor Luigi Denza (foto ao lado), a dupla criou a melodia e as letras que logo se tornaram um sucesso.

Luigi Denza um dos compositores de Funiculi Funicula

Ela foi cantada pela primeira vez em Castellammare di Stabia, no Hotel Quisisana no dia 6 de junho de 1880. E no mesmo ano, foi apresentada por Turco e Denza no Festival de Piedigrotta.

Hotel Quisisana na Itália
Hotel Quisisana, em Castellammare di Stabia.
Vista para o Vesúvio Itália

A letra da música descreve vividamente a empolgante experiência de subir o Monte Vesúvio no novo funicular, uma aventura emocionante para os moradores e visitantes de Nápoles na época. A palavra “funiculì” é uma contração que une duas palavras: “funicolare” (funicular) e “lì” (ali). Enquanto “funiculà” é a contração de “funicolare” + “là” (lá). Assim, a música transmite a ideia de movimento, o deslocamento daqueles que sobem, daqui até lá, pelo funicular que levava ao topo do Vesúvio, onde se poderia desfrutar de vistas deslumbrantes da baía de Nápoles e do Golfo de Nápoles.

Luigi Denza – Funiculi, Funicula [HQ]

A canção rapidamente se tornou popular em Nápoles e em toda a Itália, cativando o coração do público com seu ritmo vibrante e letras alegres. Ela também se espalhou por todo o mundo, tornando-se um símbolo da música italiana.

Ao longo dos anos, “Funiculì, Funiculà” foi interpretada por inúmeros artistas, tanto italianos quanto internacionais, e foi usada em diversos filmes, programas de televisão e comerciais, solidificando ainda mais sua posição como uma das músicas italianas mais reconhecíveis e queridas.

Duas das apresentações muito conhecidas são a de Luciano Pavarotti, em 1995, e a de Andrea Bocelli, em 2009, cantando dentro do Coliseu! Assistam:

Além de sua associação com o transporte até o Monte Vesúvio, “Funiculì, Funiculà” também é frequentemente executada em festas e celebrações, sendo um elemento essencial nas festividades italianas. Sua energia contagiosa e letras festivas fazem dela uma escolha perfeita para animar qualquer ocasião.

A letra da música é uma celebração da beleza da natureza, da aventura e do espírito napolitano. Ela evoca a sensação de liberdade e excitação que as pessoas sentiam ao subir o Monte Vesúvio e contemplar a paisagem deslumbrante ao redor. Mesmo após mais de um século desde sua criação, “Funiculì, Funiculà” continua a ser uma canção atemporal que encanta e emociona as pessoas.

Vista para as construções do funicular ao pé do Monte Vesúvio
Vista para as construções do funicular ao pé do Monte Vesúvio

Você percebeu que citamos o prazer que as pessoas sentiam nessa subida, mas falamos tudo no passado? É porque a história da construção do funicular deu lugar também a uma história repleta de reconstruções e desafios. Vejam só…

Não é nada simples construir um funicular que sobe o monte de um vulcão ativo. No ano de 1906, ocorreu uma erupção do Vesúvio, que causou a destruição das duas estações do funicular, a superior e a inferior. Além disso, os bondes, os equipamentos e também o restaurante construído na base do monte foram destruídos – ou melhor dizendo, engolidos pelas lavas e cobertos pelas cinzas.

Vesúvio em 1906

O orgulho da construção e o espírito da industrialização, que tomavam a todos naquela época, logo serviram de impulso para que se pensasse numa rápida reconstrução. Os danos foram logo reparados e, já em 1909, o funicular voltou a funcionar.

Acontece que, dois anos depois, em 12 de março de 1911, uma nova erupção destruiu a estação superior novamente. E mais uma vez, ainda com maior rapidez, foram feitos os trabalhos necessários em apenas um ano, e o sistema voltou a funcionar plenamente. E mais, teve a sorte de ficar intacto quando ocorreu outra erupção, em 1929. Isso mesmo, tinham sido 3 erupções desde a inauguração, duas destruidoras, uma felizmente benevolente.

Contudo, em 1944, o Vesúvio entrou em erupção novamente. E, desta vez, o funicular não foi poupado, foi mais uma vez destruído. E, para piorar a situação, isso ocorreu durante a Segunda Guerra Mundial. Dali em diante, o funicular nunca mais foi reconstruído.

Vesúvio em erupção
Erupção no monte Vesúvio
Março de 1944: Monte Vesúvio durante sua pior erupção em mais de 70 anos. No primeiro plano vemos a cidade de Nápoles. (Keystone/Getty Images)

A decisão por não serem mais feitas reconstruções, claro, é um cuidado que faz muito sentido se considerarmos que o Vesúvio já entrou em erupção outras dezenas e dezenas de vezes ao longo da história, após a destruição de Pompeia e Herculano. Ironicamente, porém, o que seria curioso para tantos italianos que trabalharam arduamente nas reconstruções ao longo do século 20, o vulcão está adormecido desde 1944, e de lá pra cá não tivemos nenhuma erupção nova.

Apesar de não ter sido mais reconstruído, a história do funicular italiano do Vesúvio foi uma inovação tecnológica tão grande e única na época que inspirou vários países a adotarem esse sistema de transporte como um diferencial importante no turismo local de cada região. Temos inclusive um exemplo brasileiro, o funicular de Santos, que percorre 147 metros da encosta do Monte Serrat! Quer conhecer, recomendamos assistir ao Passeio em Santos a bordo do FUNICULAR DO MONTE SERRAT

Outras versões de funiculares

Outros exemplos de funiculares que surgiram depois da criação italiana são:

  • Chaumont Panoramic Funicular Railway, em La Coudre, Neuchatel, Suíça.
  • Bom Jesus do Monte, em Braga, Portugal
  • Monte Pilatus – Suíça
  • Salzburg – Áustria
  • Polybahn – Zurique – Suíça
  • Montmartre – Paris, França
  • Voilà – Noruega
  • Kiev – Ucrânia
Funicular em Paris
Paris
Funicular Portugal
Portugal
Funicular Noruega
Funicular Noruega
Funicular Kiev
Funicular Kiev

Os legados

Apesar de os funiculares terem se tornado uma atração turística em diversas cidades ao redor do mundo, a música “Funiculì, Funiculà” guarda a história e serve como um forte símbolo da alegria de viver e da ascensão apaixonada que a cultura napolitana vivenciava no período de modernização, num caminho raro de uma busca humana por uma comunhão entre indústria e o espaço definitivo da natureza. O que podemos observar nessa tentativa é o poder maior da natureza, que nos atrai até para perto de suas belezas destruidoras, mas que também nos afasta sem dificuldade, e demarca certos limites que, se bem observados, nos fazem aprender e celebrar nossos sonhos através de outras linguagens, como a da música, que se faz inabalável de geração em geração, com palavras que ecoam fora do alcance de qualquer erupção. E a canção, por sua vez, pode nos lembrar da importância de aproveitar a vida, explorar novos horizontes e celebrar a alegria de contemplarmos a natureza, enquanto subimos e subimos por onde conseguirmos. Funiculì, Funiculà!

A letra da música

Agora, aproveitem abaixo a letra da música, no dialeto napolitano e, depois, em português.

E para ir ainda além e conhecer as variações para o italiano, a partir da composição no dialeto napolitano (como “jammo” e “andiamo”), é só clicar aqui: https://www.portanapoli.com/Ita/Cultura/canzone-napoletana/funiculi.html

Letra original (em napolitano)

Aissera, oje Nanniné, me ne sagliette,

tu saje addó, tu saje addó

Addó ‘stu core ‘ngrato cchiù dispietto

farme nun pò! Farme nun pò!

Addó lu fuoco coce, ma se fuje

te lassa sta! Te lassa sta!

E nun te corre appriesso, nun te struje

sulo a guardà, sulo a guardà.

Jamme, jamme ‘ncoppa, jamme jà,

Jamme, jamme ‘ncoppa, jamme jà,

funiculì, funiculà!

funiculì, funiculà!

‘ncoppa, jamme jà,

funiculì, funiculà!

Né, jamme da la terra a la montagna!

Nu passo nc’è! Nu passo nc’è!

Se vede Francia, Proceta e la Spagna…

Io veco a tte! Io veco a tte!

Tirato co la fune, ditto ‘nfatto,

‘ncielo se va, ‘ncielo se va.

Se va comm’ ‘a lu viento a l’intrasatto,

guè, saglie, sà!

Jamme, jamme …

Se n’è sagliuta, oje né, se n’è sagliuta,

la capa già! La capa già!

È gghiuta, po’ è turnata, po’ è venuta,

sta sempe ccà! Sta sempe ccà!

La capa vota, vota, attuorno, attuorno,

attuorno a tte! Attuorno a tte!

Stu core canta sempe nu taluorno:

Sposamme, oje né! Sposamme, oje né!

Jamme, jamme …

Tradução para o português

Ontem à tarde, oi Aninha, eu fui,
sabes para onde, sabes para onde?
Para onde este coração ingrato não pode me desprezar mais!
Onde o fogo queima, mas se tu foges
ele deixa estar!
E não te persegue, não te consome,para que vejas o céu!…
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Funiculì – funiculà, funiculì – funiculà!
Pro topo vamos, já, funiculì – funiculà!

Vamos do sopé à montanha, Aninha! Sem (termos de) caminhar!
Podes ver a França,a Prócida e a Espanha…
e eu vejo a ti!
Puxados por uma corda, antes de nos darmos conta,
vamos para o céu…
Vamos rápidos como o vento e de repente, já saímos!
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Funiculì – funiculà, funiculì – funiculà!
Pro topo vamos, já, funiculì – funiculà!

Subimos, Aninha, já chegamos ao topo!
(O funicular) Foi, e retornou, e voltou novamente…
Está sempre aqui!
O topo gira, gira, ao redor, ao redor,
ao redor de ti!
Este coração canta sempre
e não é arrogante
Vamos nos casar, Aninha!
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Vamos, vamos, pro topo vamos, já!
Funiculì – funiculà, funiculì – funiculà!
Pro topo vamos, já, funiculì – funiculà!

Traduzido com ajuda do dicionário da “Storia di Napoli” 

Aproveite para ler mais sobre o Vesúvio em nosso artigo aqui do blog: Poesia ao redor do Vesúvio

A presto!

Frases essenciais para viajar à Itália com confiança

Frases essenciais para viajar à Itália com confiança

Viajar para um país estrangeiro é uma experiência emocionante, repleta de novas descobertas e aventuras. No entanto, um aspecto crucial que muitos viajantes subestimam é a importância de aprender algumas frases-chave no idioma local. Essa importância é especialmente verdadeira ao visitar um país como a Itália, com sua língua única e rica cultura.

Cidades Italianas

Dominar algumas frases úteis em italiano pode fazer uma diferença significativa na qualidade da sua viagem. Não se trata apenas de evitar mal-entendidos, mas de abrir portas para interações significativas com os nativos e de demonstrar respeito pela cultura do país que você está visitando.

Viagem de trem na Itália

Frases essenciais em italiano

Desde cumprimentos básicos até frases para pedir comida em restaurantes, obter informações de transporte ou mesmo expressões de gratidão, essas palavras e frases não apenas facilitam a comunicação, mas também mostram aos nativos que você está disposto a se envolver com a cultura deles. Os italianos, como as pessoas de muitas outras culturas, apreciam quando os visitantes fazem um esforço para falar sua língua, por mais limitado que seja.

Além disso, ao entender algumas frases-chave, você se sentirá mais confiante e seguro enquanto explora a Itália. Não importa se você está em Roma, Florença, Veneza ou em uma pequena cidade italiana, as pessoas notarão e apreciarão sua disposição de se comunicar em italiano. Uma coisa que não pega muito bem é um turista falando inglês a todo momento, principalmente em cidades pequenas, como se fosse obrigação dos italianos entenderem o inglês.

Frases em Italiano

Portanto, ao planejar sua viagem à Itália, não subestime o valor de aprender algumas frases-chave em italiano. É uma habilidade que não apenas aprimorará sua experiência de viagem, mas também enriquecerá seu relacionamento com o país e seu povo.

Frases úteis

Para resolver situações comuns que surgem durante uma viagem, é bom se preparar com frases úteis para situações de:

  • Cumprimentos e polidez: frases para cumprimentar as pessoas, dizer mais do que apenas “por favor” e “obrigado”, para demonstrar respeito e cortesia.
  • Pedir informações: frases para pedir direções, informações sobre transportes públicos e recomendações de restaurantes e atrações.
  • Fazer pedidos em restaurantes: especialmente quando se trata de pratos típicos italianos.
  • Compras: frases para negociar preços, pedir tamanhos, cores e informações sobre produtos em lojas e mercados.
  • Emergências: frases para lidar com situações de emergência, como pedir ajuda ou relatar um problema.
  • Interação cultural: frases que demonstram conhecimento e respeito pela cultura italiana, como saudações em diferentes momentos do dia e expressões comuns.
  • Transporte: frases para usar em estações de trem, aeroportos e ao pedir um táxi ou informações de transporte público.

Guia de Viagem ITALICA

Um guia desse tipo pode ser uma ferramenta valiosa para estudantes que desejam vivenciar uma viagem à Itália de forma mais autêntica, interagindo com os nativos e aproveitando ao máximo sua experiência. Além disso, aprender algumas frases-chave também pode ser uma maneira de mostrar respeito pela cultura local e melhorar a qualidade da interação durante a viagem.

Por isso, conte com o nosso Guia de Viagem ITALICA, é só clicar aqui para obter o seu!

Quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

E agora aproveite para clicar aqui e assistir à live preparada pelo Prof. Darius, com o tema de 30 frases-chave para 30 situações na Itália!