Escolha uma Página
Frases essenciais para viajar à Itália com confiança

Frases essenciais para viajar à Itália com confiança

Viajar para um país estrangeiro é uma experiência emocionante, repleta de novas descobertas e aventuras. No entanto, um aspecto crucial que muitos viajantes subestimam é a importância de aprender algumas frases-chave no idioma local. Essa importância é especialmente verdadeira ao visitar um país como a Itália, com sua língua única e rica cultura.

Cidades Italianas

Dominar algumas frases úteis em italiano pode fazer uma diferença significativa na qualidade da sua viagem. Não se trata apenas de evitar mal-entendidos, mas de abrir portas para interações significativas com os nativos e de demonstrar respeito pela cultura do país que você está visitando.

Viagem de trem na Itália

Frases essenciais em italiano

Desde cumprimentos básicos até frases para pedir comida em restaurantes, obter informações de transporte ou mesmo expressões de gratidão, essas palavras e frases não apenas facilitam a comunicação, mas também mostram aos nativos que você está disposto a se envolver com a cultura deles. Os italianos, como as pessoas de muitas outras culturas, apreciam quando os visitantes fazem um esforço para falar sua língua, por mais limitado que seja.

Além disso, ao entender algumas frases-chave, você se sentirá mais confiante e seguro enquanto explora a Itália. Não importa se você está em Roma, Florença, Veneza ou em uma pequena cidade italiana, as pessoas notarão e apreciarão sua disposição de se comunicar em italiano. Uma coisa que não pega muito bem é um turista falando inglês a todo momento, principalmente em cidades pequenas, como se fosse obrigação dos italianos entenderem o inglês.

Frases em Italiano

Portanto, ao planejar sua viagem à Itália, não subestime o valor de aprender algumas frases-chave em italiano. É uma habilidade que não apenas aprimorará sua experiência de viagem, mas também enriquecerá seu relacionamento com o país e seu povo.

Frases úteis

Para resolver situações comuns que surgem durante uma viagem, é bom se preparar com frases úteis para situações de:

  • Cumprimentos e polidez: frases para cumprimentar as pessoas, dizer mais do que apenas “por favor” e “obrigado”, para demonstrar respeito e cortesia.
  • Pedir informações: frases para pedir direções, informações sobre transportes públicos e recomendações de restaurantes e atrações.
  • Fazer pedidos em restaurantes: especialmente quando se trata de pratos típicos italianos.
  • Compras: frases para negociar preços, pedir tamanhos, cores e informações sobre produtos em lojas e mercados.
  • Emergências: frases para lidar com situações de emergência, como pedir ajuda ou relatar um problema.
  • Interação cultural: frases que demonstram conhecimento e respeito pela cultura italiana, como saudações em diferentes momentos do dia e expressões comuns.
  • Transporte: frases para usar em estações de trem, aeroportos e ao pedir um táxi ou informações de transporte público.

Guia de Viagem ITALICA

Um guia desse tipo pode ser uma ferramenta valiosa para estudantes que desejam vivenciar uma viagem à Itália de forma mais autêntica, interagindo com os nativos e aproveitando ao máximo sua experiência. Além disso, aprender algumas frases-chave também pode ser uma maneira de mostrar respeito pela cultura local e melhorar a qualidade da interação durante a viagem.

Por isso, conte com o nosso Guia de Viagem ITALICA, é só clicar aqui para obter o seu!

Quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

E agora aproveite para clicar aqui e assistir à live preparada pelo Prof. Darius, com o tema de 30 frases-chave para 30 situações na Itália!

Puglia e os tesouros no salto da bota: A Itália que poucos brasileiros conhecem

Puglia e os tesouros no salto da bota: A Itália que poucos brasileiros conhecem

A Puglia, localizada no sul da Itália, é uma região que abriga uma riqueza inigualável de belezas naturais e culturais. Se você viu algum dos nossos conteúdos recentes em nossas redes sociais, certamente notou que fizemos uma viagem muito especial, justamente para a Puglia. É hora então de começarmos a falar um pouco dessa região também por aqui! Conhecida como o “salto da bota” da Itália, devido à sua localização geográfica, a Puglia é um tesouro ainda não totalmente descoberto pelos turistas internacionais, embora seja um destino de sonho para aqueles que buscam uma experiência autêntica na Itália.

Polignano a Mare Puglia talia

Uma das características mais marcantes da Puglia é a paisagem repleta de campos de oliveiras intermináveis. A região é famosa por produzir grande parte do azeite de oliva italiano, e a vista dos olivais que se estendem até onde a vista alcança é simplesmente deslumbrante. Ao percorrer as estradas rurais da Puglia, você será cercado pela beleza serena das árvores de oliva e seus frutos dourados que dançam com a brisa suave do mar Adriático.

Oliveiras e Azeite de oliva italiano

E o que explica essa especialidade da região é que o clima mediterrâneo se combina com a típica terra vermelha da Puglia e cria um espaço perfeito para a produção dos azeites de oliva extra virgem, classificados com o selo DOP (Denominação de Origem Protegida); das seguintes áreas:

  • Dauno (Toda a província de Foggia: Daunia, Tavoliere delle Puglie e Gargano);
  • Terra di Bari (Províncias de Bari e Barletta–Andria–Trani);
  • Terra d’Otranto (Toda a província de Lecce e algumas cidades das províncias de Taranto e Brindisi);
  • Terre Tarantine (Cidades da zona oeste da província de Taranto);
  • Collina di Brindisi (Província de Brindisi).
Oliveiras na Puglia Itália
Oliveira na Puglia Italia

Além dos olivais, a Puglia possui uma extensa costa banhada pelo Mar Adriático e pelo Mar Jônico. Suas praias são famosas por suas águas cristalinas e enseadas pitorescas. Destacam-se praias de valor histórico, como a Praia do Porto Badisco (foi nela, segundo o poeta grego Virgílio, que Eneias desembarcou ao conseguir fugir de Tróia), e praias paradisíacas, como a Praia de Punta Prosciutto (também chamada de Palude del Conte), conhecida por sua areia fina e águas rasas. A Puglia oferece um refúgio tranquilo para os amantes de praias que desejam escapar das multidões.

Costa da Puglia banhada-pelo-Mar Adriático e Mar Jônico

Mas a beleza da Puglia não está limitada apenas à sua paisagem natural. A região é rica em história e cultura, com inúmeras cidades e vilarejos medievais que parecem ter parado no tempo. Um exemplo notável é Alberobello, um local declarado Patrimônio Mundial pela UNESCO, famoso por seus trulli, que são casas com o formato de um cone, feitas de pedra e que remontam ao século XV. Essas construções únicas e encantadoras fazem de Alberobello um lugar verdadeiramente mágico para explorar. E é claro que nós passamos por lá em nossa viagem, e você verá tudo em nossas redes!

Darius e Giuliano em Alberobello Puglia
Darius em Alberobello Puglia

Outra cidade que merece destaque é Lecce, conhecida como a “Florença do Sul” devido à sua arquitetura barroca deslumbrante. Os edifícios ricamente ornamentados, as igrejas espetaculares e as praças elegantes fazem de Lecce um destino culturalmente enriquecedor. Você pode passear pelas ruas de paralelepípedos, admirar a detalhada fachada da Basílica de Santa Croce e saborear a culinária local em um dos muitos restaurantes encantadores.

Fachada Basílica Santa Croce em Lecce Italia
Fachada Basílica Santa Croce em Lecce
Interior da Basílica de Santa Croce
Interior da Basílica de Santa Croce
Basílica Santa Croce em Lecce Itália
Vista interior, olhando do outro sentido – Basílica de Santa Croce

A Puglia também é famosa por sua gastronomia única. Sendo uma região costeira, os frutos do mar desempenham um papel fundamental na culinária local. Pratos como o “orecchiette con le cime di rapa” (massa em forma de orelha com brócolis rabe) e o “pesce al cartoccio” (peixe cozido em papel alumínio com ervas e azeite de oliva) são deliciosos exemplos da tradição gastronômica da Puglia. Não se esqueça de experimentar o azeite de oliva extra virgem produzido na região, que é considerado um dos melhores do mundo.

Orecchiette da Puglia
O delicioso orecchiette pugliese

Mesmo vendo e revendo de longe, pelas fotos e vídeos que estamos preparando para vocês, as memórias nos tomam e sentimos todas as experiências outra vez. Puglia é realmente um destino de tirar o fôlego, que oferece uma combinação única de beleza natural, história rica, cultura vibrante e gastronomia excepcional. Se você busca uma experiência autêntica na Itália, longe das multidões de turistas, a Puglia é o lugar ideal para conhecer uma Itália que vive na tranquilidade, e assim descobrir melhor todos os seus tesouros escondidos. A região merece, sem dúvida, um lugar de destaque em sua lista de destinos a explorar na Itália.

Agora aproveite e comece a assistir aos vídeos que já publicamos sobre esta e também outras viagens, em nosso insta @canal_italica e no YouTube @ITALICA!

Pães na Itália: arte e a tradição da fabricação

Pães na Itália: arte e a tradição da fabricação

A Itália, famosa por sua culinária incrivelmente diversificada e deliciosa, não é apenas o lar de massas e pizzas incríveis, mas também é um país onde a arte da fabricação de pães é elevada a um nível de maestria. A tradição de fazer pães na Itália remonta a séculos e continua a ser uma parte fundamental da cultura gastronômica italiana. Hoje vamos explorar um pouco da rica história, dos métodos tradicionais e veremos os tipos de pães que fazem da Itália um verdadeiro paraíso para os amantes de um bom pão.

Uma longa história de panificação

Como a maioria das características culturais italianas, a história da fabricação de pães na Itália remonta ao Império Romano, quando o pão era um alimento básico e fundamental na dieta diária. Naquela época, os padeiros já dominavam a arte de fazer pães de diferentes variedades e texturas. Com a queda do Império Romano e o surgimento do feudalismo na Idade Média, a arte da panificação continuou a se expandir territorialmente, tornando-se cada vez mais presente e importante para a variedade de culturas que cada regionalismo propiciou. Com o passar dos anos, naturalmente, as técnicas foram refinadas.

Durante o Renascimento, o território que um dia viria a ser a Itália unificada começou a ver uma explosão na criatividade culinária, e isso incluiu a panificação. Padeiros italianos experimentavam suas ideias com ingredientes locais, como azeite de oliva, ervas, queijos e azeitonas, para criar pães únicos que pudessem refletir suas regiões de origem. Essa tradição, inclusive, de explorar e respeitar ingredientes locais, ainda hoje está muito viva na fabricação de pães italianos. E é o que permite que turistas descubram sabores de receitas que foram criadas há séculos.

Pães na Itália: a variedade italiana

Como a Itália é um país de diversas regiões bastante conscientes e protetoras de suas identidades, cada uma delas conta com suas próprias tradições culinárias. Isso se reflete na grande variedade de pães italianos disponíveis. Vejamos alguns dos pães mais famosos da Itália:

Ciabatta

Originária da região da Toscana, a ciabatta é um pão caracterizado por sua casca crocante e interior macio e alveolado. É frequentemente usado para fazer sanduíches.

Também existe uma versão menor e mais arredondada da ciabatta, a ciabattina, perfeita para lanches individuais ou acompanhamentos.

Pães na Itália Ciabatta

Focaccia

Uma deliciosa massa plana, semelhante a uma pizza, que é frequentemente temperada com azeite de oliva, sal e ervas antes de ser assada. É um aperitivo popular na Itália.

Pães na Itália Focaccia

Pane Pugliese

Este é um pão rústico típico da região de Puglia, no sul da Itália. É conhecido por sua casca grossa e dura e seu interior macio e elástico.

Pane Pugliesi pão italiano

Grissini

Também conhecidos como “palitos de pão”, os grissini são finos bastões de pão que são frequentemente servidos como aperitivos.

Pão Italiano Grissini

Pane di Altamura

Proveniente da cidade de Altamura, na região da Puglia, é conhecido por seu sabor único e crosta espessa.

Pão italiano Pane di Altamura

Pão Siciliano

Originário da Sicília, este pão é geralmente feito com semolina e é denso e saboroso.

Pão italiano Siciliano

Métodos tradicionais de fabricação

A fabricação de pães na Itália é uma combinação de tradições antigas e técnicas modernas. Muitas padarias italianas ainda valorizam os métodos tradicionais de panificação, como o uso de fermentação natural e a chamada massa madre (massa mãe), que é um método antigo de fermentação que não requer o uso de fermento comercial. A fermentação natural dá aos pães um sabor e uma textura distintos, além de melhorar sua digestibilidade.

Massamadre do pão italiano

Outro aspecto importante da fabricação de pães italianos é a qualidade dos ingredientes. A farinha utilizada é frequentemente de alta qualidade e muitas vezes é moída localmente. O azeite de oliva extra virgem é um ingrediente comum que contribui para o sabor e a textura dos pães italianos.

O papel cultural do pão na Itália

O pão tem um papel cultural significativo na Itália, além de ser um alimento básico na mesa. Em muitas partes do país, o ato de compartilhar pão é um símbolo de hospitalidade e amizade. O pão também desempenha um papel importante em celebrações religiosas, como a Páscoa, quando o pão é abençoado e compartilhado entre os fiéis.

Além disso, muitos festivais e eventos regionais na Itália (como aqueles conhecidos como sagras, festas religiosas) estão relacionados à produção e ao consumo de pães locais. Os festivais de pães oferecem uma oportunidade para as comunidades locais celebrarem suas tradições e compartilharem suas especialidades culinárias.

Um bom exemplo de uma sagra que festeja justamente um pão é a Festa Te la Uliata, que acontece perto de Lecce, na Puglia. “Uliata” é uma “puccia” (nome dado aos lanches característicos da região da Puglia). No caso da “uliata”, é um tipo de pão feito com azeitonas pretas de Salento!

Tradição do pão italiano

Pães na Itália: essência familiar

Logo que chegamos na Itália, é fácil notar como os pães italianos variam amplamente em forma, sabor e textura, refletindo a diversidade das regiões italianas. E mais do que apenas alimento, o pão desempenha um papel cultural importante na Itália, conectando pessoas através de gerações e celebrando a riqueza da culinária italiana. Afinal, a fabricação de pães na Itália é uma arte que combina tradições antigas, ingredientes de alta qualidade e uma paixão pelo sabor e pela textura. Por isso, quando se trata de pães italianos, podemos entender que eles são mais do que apenas uma parte da refeição – são uma das essências mais antigas da vida italiana e da partilha em família.

Tradição dos pães na Itália

Te convidamos agora para assistir a um vídeo especial que o Prof. Darius fez caminhando pelo bairro do Bixiga, em São Paulo, quando ele visitou uma panificadora para te apresentar um pouco mais sobre os tipos de pão que existem na Itália e, portanto, sobre a razão de não existir algo como “pão italiano”, que vemos tanto à venda aqui no Brasil.

Para assistir e entender tudo, é só clicar aqui!

Buona visione!

Via dell’Amore na Cinque Terre: a reabertura da trilha mais romântica do mundo!

Se você gosta de caminhadas na hora de explorar cidades e países novos, é hora de começar a imaginar suas próximas viagens. A parte inicial do percurso conhecido como ‘Caminho do Amor’ está reabrindo em Riomaggiore, comuna da região da Ligúria, província de La Spezia.

Foram 11 anos fechada, devido a um deslizamento de terra. Essa primeira parte a ser reaberta conta com apenas 170 metros, isso mesmo, um trajeto tão curto que merece explicação: do que se trata esse caminho exatamente? E com isso poderemos apresentar a você 5 bons motivos para querer programar uma viagem para esse lugar maravilhoso!

Região italiana da Ligúria Cinque Terre
Localização da Liguria onde fica a província de La Spezia no mapa da Itália)

5 motivos para visitar a Via dell’Amore

Trazemos sempre dicas sobre a Itália, curiosidades sobre o estilo de vida e do dia a dia no país da bota. Conheça abaixo os 5 principais motivos para você colocar Via dell’Amore em seu roteiro de viagem.

1. CINQUE TERRE

O caminho romântico é conhecido como “Via dell’Amore” e liga a comuna de Riomaggiore ao distrito de Manarola. É considerada uma das trilhas mais bonitas de um conjunto de vilas chamado Cinque Terre, que é composto por cinco aldeias da Riviera italiana: Monterosso al Mare, Vernazza, Corniglia, Manarola e Riomaggiore. A costa, as cinco aldeias à beira-mar e as colinas circundantes fazem parte do Parque Nacional Cinque Terre e são Património Mundial da UNESCO.

Via Dellamore na Itália
Caminho Via dell’Amore

Essas aldeias são conhecidas pela tradição pesqueira, pelas belezas naturais e por sua arquitetura pitoresca – uma arquitetura colorida, com casas que se empilham nas encostas íngremes próximas ao mar. Muitos que visitam o local descrevem as cores como brilhantes sob a luz do sol, tão vivas a ponto de fazer a cidade parecer um espaço saído de um conto de fadas. Comprove:

Parque Nacional Cinque Terre na Itália
Vista da aldeia

2. VINO

As regiões que compõem a Cinque Terre, incluindo portanto Riomaggiore, são famosas também por suas produções de vinho. Um espetáculo impressionante é a vista dos terraços de cultivo de uvas nas encostas. Caso possa visitar, já saiba: dentre os vinhos locais, o Sciacchetrà é altamente apreciado e único, carrega o nome dessa região por todo o globo.

plantação de uvas no topo da colina Cinque Terre na Itália
Plantação de uvas nos topos das colinas

3. SENTIERI PER ESCURSIONI

Outra grande atração turística é o belíssimo acesso a trilhas. Riomaggiore é um ótimo ponto de partida para os turistas que querem explorar as trilhas que ligam todas as cinco aldeias de Cinque Terre. A trilha mais famosa é a “Sentiero Azzurro”, que conta com vistas espetaculares da costa, passando por entre as colinas e pelos rochedos à beira-mar.

Via dellamore Cinque terre na Itália
Trilha Sentiero Azzurro

E, claro, uma das trilhas mais bonitas, como começamos dizendo neste artigo, é aquela conhecida como “Via dell’Amore”. A vista privilegiada permite a sensação de se estar caminhando em direção ao pôr-do-sol, contornando as montanhas.

Via dellamore Vernazza na Italia

4. FESTA DI SAN GIOVANNI BATTISTA

Acontece anualmente, em 24 de junho, o Festival de San Giovanni. É quando a cidade de Riomaggiore celebra o padroeiro da cidade, San Giovanni Battista.

Pétalas na Festa de San Giovanni Battista na Itália
Festa di San Giovanni Battista Itália

Durante o dia, as flores são distribuídas por todas as ruas em preparação para o desfile, por isso é possível caminhar pela cidade e se deparar inesperadamente com os rastros vermelhos das pétalas que, à noite, guiarão a procissão de padres da aldeia, acompanhados da banda marcial e de habitantes da cidade carregando velas acesas e cantando solenemente.

Padres na Festa di San Giovanni Battista Itália

O santo é então transportado pela aldeia à vista de todos. É uma tradição que atrai visitantes de toda a região.

5. CULTURA ANTICA

Riomaggiore tem preservada a sua atmosfera de aldeia italiana tradicional, com ruas estreitas e sinuosas, cafés aconchegantes e praças encantadoras. Tudo isso garante que a aldeia seja um lugar perfeito para explorar a cultura local e descobrir o legado e as tradições.

Cinque terre Riomaggiore na Itália

Agora, para ajudar na programação de deslocamento, uma dica: Riomaggiore é acessível de trem a partir da comuna de La Spezia ou de outras cidades vizinhas, o que faz de Riomaggiore uma opção bastante conveniente para os visitantes que desejam viajar sem carro, por exemplo, para explorar tudo caminhando muito pelas trilhas e pelas ruas estreitas e históricas da Cinque Terre.

Para sincronizar seus planos, saiba que a previsão atual é de que apenas em 2024 haverá a liberação do percurso completo da Via dell’Amore!

E aí, interessados?!

A presto!

Poesia ao redor do Vesúvio

Poesia ao redor do Vesúvio

Existe um tomate especialmente italiano, que só pode ser cultivado em um solo específico da Itália. É o chamado “pomodorino del piennolo del Vesuvio”, também conhecido apenas como “pomodorino vesuviano”.

“Piennolo” é uma referência ao método centenário de cultivo dos tomates, que, após a colheita, são pendurados em cachos, presos em cordas de cânhamo. “Piennolo” significa “pendulo” no dialeto napolitano.

Pomodorino Vesuviano

Esse pomodorino de Nápoles é um tomate cereja tão especial que, em 2009, recebeu a classificação DOP, uma sigla que significa Denominação de Origem Protegida, que serve para indicar os produtos agrícolas que têm vínculos fortes com a terra em que são produzidos. Essa classificação determina que cada etapa da produção deve ocorrer na região especificada.

Pomodorino Vesuviano
Pomodorino vesuviano pendurado em cachos

A principal razão desse valor cultural e gastronômico é que sua área de cultivo se encontra ao redor do Monte Vesúvio, justamente ao pé do vulcão, em um solo vulcânico que é rico em nutrientes essenciais, como potássio e fósforo, devido ao ciclo de matérias depositadas ali ao longo de milênios.

‌Parque Nacional do Vesúvio

Passeios turísticos por essa área são uma chance, portanto, de conhecer não apenas os vinhedos e as vinícolas que estão ao redor do Monte Vesúvio, mas também de degustar esses raros tomates, descritos como tendo uma polpa de grande consistência e um sabor unicamente agridoce.

Imagem aérea Vulcão Vesúvio
Imagem aérea Vulcão Vesúvio
Parque Nacional do Vesúvio
Parque Nacional do Vesúvio

O cultivo está na área de mais ou menos 130 quilômetros quadrados do Parque Nacional do Vesúvio. E a comuna mais próxima acrescenta uma razão especial para o interesse dos viajantes. Essa comuna chama-se Torre del Greco, conhecida por ter recebido, em meados do século 19, o poeta que é visto por muitos como o maior poeta italiano depois de Dante: Giacomo Leopardi.

Villa delle Ginestre Torre Del Greco Vesúvio
Torre Del Greco
Torre Del Greco Vesúvio
Torre Del Greco

A casa em que Giacomo Leopardi se hospedou pertencia a Giuseppe Ferrigni, cunhado de Antonio Ranieri, grande amigo de Leopardi. A área do casarão teve inicialmente o nome de Villa Ferrigni, mas foi rebatizada como Villa delle Ginestre, em referência ao título do poema que Leopardi escreveu ali, enquanto viveu o fim de sua vida, inspirado pelas pradarias, pela flores e pelo horizonte marcado pela silhueta imponente e temerosa do vulcão. O nome do poema carrega justamente o nome de uma flor amarela que é facilmente encontrada nascendo do solo ao redor do vulcão: La ginestra, o il fiore del deserto (A giesta ou a flor do deserto).

Giesta a flor do deserto do Vesúvio
Giesta, a flor do deserto

Poema A giesta ou a flor do deserto

Vamos ver a abertura do poema:

La ginestra, o il fiore del deserto

Qui su l’arida schiena

del formidabil monte

sterminator Vesevo,

la qual null’altro allegra arbor né fiore,

tuoi cespi solitari intorno spargi,

odorata ginestra,

contenta dei deserti. Anco ti vidi

de’ tuoi steli abbellir l’erme contrade

che cingon la cittade

la qual fu donna de’ mortali un tempo,

e del perduto impero

par che col grave e taciturno aspetto

faccian fede e ricordo al passeggero.

A giesta, ou a flor do deserto

[tradução de Luiz Antônio Lindo]

Aqui sobre a árida encosta

do formidável monte

exterminador Vesúvio,

onde nada mais cresce, árvore ou flor,

tuas moitas solitárias ao redor espalhas,

perfumada giesta,

feliz com o deserto. Também te vi

com tuas hastes enfeitar os ermos caminhos

que rodeiam a cidade,

a qual foi senhora dos mortais um dia,

e do perdido império

parecer pelo grave e taciturno aspecto

servir de prova e advertência ao que passa.

‌Destaques de italiano

Com a pesquisa empreendida pelo próprio tradutor, é possível destacarmos efeitos interessantes no emprego de algumas palavras. É o caso de 3 palavras que vimos nestes primeiros 13 versos: arborallegra e anco.

  1. O vocábulo “arbor” é do latim (arbore -> árvore) e foi empregado no lugar de “albero”, que seria mais usual no italiano.
  2. O uso de “allegra” é referente a “allegrare”, no sentido geralmente dito sobre as plantas, de “crescer”, “prosperar”. É uma palavra que, numa leitura rápida, poderia parecer ter apenas o sentido que encontramos em “alegrar” e “alegria”.
  3. “Anco” é uma forma antiga de “anche” (também).

Quarentena

Leopardi se mudou para a vila em Torre del Greco buscando, acima de tudo, uma quarentena, para ficar longe o suficiente da epidemia de cólera que se espalhou em Nápoles em 1836.

A colina onde a casa foi construída é localizada em uma área caracterizada pelo acúmulo de fluxos de lava e das giestas que inspiraram o poeta.

Escrito em 1836, o poema foi publicado depois da morte do autor, em 1845, em uma edição organizada e corrigida, seguindo o último entendimento do autor, sob os cuidados do amigo Antonio Ranieri.

Villa delle Ginestre Vesúvio Leopardi Giacomo
Villa delle Ginestre

Villa delle Ginestre tornou-se um ponto turístico, muito aproveitado também por residente durante planejamentos de excursões escolares. Além da vista para o Vesúvio e dos jardins com giestas, é possível visitar e adentrar também a casa onde Leopardi viveu por um breve período.

Vesúvio Leopardi Giacomo
Giacomo Leopardi

Uma das características da alma italiana é ter uma formação geológica e uma história que mesclam infortúnios e desafios civilizatórios determinantes para a construção de uma identidade resiliente, corajosa e criativa. Naturalmente, também através da poesia encontraremos essas marcas que podem inspirar nossas ações e nossos pensamentos.

Após uma leitura completa dos versos, é notável o convite que Leopardi nos faz para olharmos na direção da beleza que há na fragilidade da flor e da vida que desabrocha tão perto dos perigos – como no caso do perigo de erupções do vulcão que já havia destruído Pompeia e Herculano em 79 d.C. Assim o poeta nos posiciona para olharmos para a nossa própria posição diante da natureza e, também, para os nossos valores cegos de progresso.

Se aceitarmos o fato de que não estamos acima da natureza, o bom cultivo de tudo aquilo que nos mantém em comunhão com a natureza é a única resposta consciente que podemos dar em nosso dia a dia.

A terra que é destruída pela lava é também a terra que se torna especialmente fértil para o cultivo de alimentos. É a terra que vibra com o amarelo de uma flor e que inspira o olhar da poesia. É a terra que nos convida a viajar e a aprender os sons e os significados que outro idioma nos guarda como herança.