Escolha uma Página

Quase 900 anos se passaram desde o primeiro modelo da ponte que é um dos pontos mais visitados em Veneza! A Ponte de Rialto é uma das pontes mais famosas de todo o mundo. Ela atravessa o Grande Canal de Veneza na parte mais curta e liga os bairros de San Marco e San Polo. Sua atual estrutura foi construída ao longo de apenas 4 anos, entre os anos de 1588 e 1591, no local que abrigava pontes flutuantes mais antigas, e com a missão de se tornar um ponto de passagem central na parte cada vez mais congestionada da cidade de Veneza. Mas sua origem, em outro formato, data do século XII!

É impressionante pensar no número de barcas que passam por aqui diariamente. Segundo dados das autoridades locais, a cada 10 horas, passam por debaixo da Rialto mais de 1.600 barcas, 700 táxis aquáticos e 200 gôndolas!

A chance de vermos de perto uma construção que tem uma história tão repleta de estágios surpreendentes se torna ainda mais especial quando podemos saber os detalhes secretos guardados entre as pedras que sustentam a estrutura visível! 

Desde o ano de 1181 existiu aqui uma ponte flutuante, chamada Ponte della Moneta (especula-se que nas redondezas eram cunhadas as moedas que circulavam em Veneza). Esse primeiro modelo da ponte era feito de madeira e foi construído por Nicolò Barattieri. Essa construção ajudou muito essa região, concentrando o comércio, com mercados maiores, assim como acontecia ao redor de outras pontes urbanas na Europa medieval. Os comerciantes viam o apelo da travessia permanente da água como uma atração especialmente vantajosa para estabelecerem suas lojas. E aqui não foi diferente: algumas lojas foram colocadas diretamente no convés, ao lado, e depois até mesmo ao longo da ponte, apoiadas por vigas de madeira acima da água, e perto das entradas das pontes.

A estrutura de madeira da antiga Ponte de Rialto, no período medieval de Veneza.

À medida que o mercado de Rialto crescia, o tráfego de pedestres no lado leste da cidade aumentou tanto que a ponte flutuante ficou congestionada com viagens, e o tráfego aquático através do Grande Canal também foi muito afetado pela ponte flutuante, que acabava impedindo que navios de todos os tamanhos se deslocassem livremente pela via navegável central de toda a cidade de Veneza. 

A primeira solução para esses problemas foi tentada em 1255 com a construção da primeira ponte permanente de madeira sobre o Grande Canal. Para permitir que os barcos atravessassem facilmente o canal, a ponte apresentava duas rampas inclinadas que se encontravam numa seção central móvel. Esta seção poderia ser elevada para permitir a passagem até de navios altos.

Modelo tridimensional que recria a estrutura e o funcionamento da seção móvel do centro da antiga Ponte de Rialto.
Rialto em Madeira
A difícil passagem de um navio alto pelo setor central da ponte, quando ainda não contava com lojas em sua extensão.

A ponte de madeira foi renomeada para Ponte de Rialto durante o século XIV, antes mesmo de passar por reformas que a transformassem na estrutura que conhecemos hoje. Mas, no século XV, ela já passou a ser uma parte integrante do mercado regional com a instalação de lojas diretamente na estrutura da ponte, assim como encontramos hoje – aliás, este é um detalhe que surpreende muitos turistas, que não imaginam que encontrarão lojas ao longo dos degraus da ponte. Essas lojas que vemos hoje foram dispostas em duas fileiras ao longo das laterais da ponte, com o deck central deixado para passagem a pé.

Ponte de Rialto por Vittore Carpaccio
Il Miracolo della Croce a Rialto, Vittore Carpaccio (c.1465 – c.1526)
O Milagre da Relíquia da Santa Cruz na Ponte Rialto
Em algumas fontes, a pintura é chamada de Guarigione dell’ossesso (“Cura dos Obsessos”), em outras é chamada “O Milagre da Relíquia da Santa Cruz na Ponte Rialto”.

Embora as autoridades municipais tenham recolhido impostos para financiar e manter a ponte em seus modelos iniciais, a ponte de madeira de Rialto não conseguiu sobreviver intacta entre o momento em que foi construída e o momento em que foi substituída por uma ponte permanente de pedra. A ponte foi parcialmente queimada durante a revolta de 1310, então liderada por Bajamonte Tiepolo. Quase um século e meio depois, ela desabou na água durante a cerimônia de casamento de Marchessa di Ferrara, em 1444, o que causou a queda de todos os espectadores na água! E 80 anos depois, em 1524, ela desabou totalmente.

A construção final da Ponte Rialto

Foi antes de desabar por completo, que começaram a surgir as primeiras ideias sobre substituí-la por um modelo mais seguro e bem arquitetado. Em 1504, essas ideias já defendiam uma estrutura permanente de pedra que proporcionasse passagem a pé através do Grande Canal de quase 50 metros de largura, que tivesse então um deck largo o suficiente para abrigar uma fileira de lojas e, principalmente, que fornecesse espaço suficiente abaixo de sua estrutura para possibilitar a passagem de navios.

Não era nada fácil a missão dos construtores, dos designers e dos artistas da época, que foram contratados pelas autoridades de Veneza para simplesmente construírem o que já recebia o título de “ponte eterna”. 

Após décadas de deliberações, as autoridades de Veneza finalmente se dividiram para financiar o desenvolvimento de uma ponte totalmente de pedra. Para isso, contataram todos os principais construtores de pontes e decoradores de estruturas da época, incluindo arquitetos como Jacopo Sansovino, Palladio, Vignola e até o famoso Michelangelo. O escolhido foi o arquiteto cujo nome não poderia ter combinado mais perfeitamente com sua missão: Antonio da Ponte. Ele desenhou uma ponte muito simples e elegante, que depois foi construída ao longo de quatro anos, entre 1588 e 1591.

O desenho da ponte homenageava a ponte de madeira original , utilizando rampas com inclinação semelhante em ambas as margens que conduziam à passagem do pórtico central. A ponte abrigou fileiras de lojas que existem até hoje, e três passagens – duas nas laterais da ponte e uma passarela central que é cercada por duas fileiras de lojas.

Passagem central de Rialto
A passagem central, com as lojas em ambos os lados.
Os degraus que levam à lateral com vista para o rio e ao setor central, com acesso às lojas.

O arquiteto Antonio da Ponte teve muito cuidado em integrar a Ponte Rialto no ambiente circundante da cidade. Para isso optou por utilizar Pietra d’Istra (rocha calcária de cor branca brilhante) como principal material de construção, o que conferiu de forma muito eficaz um aspecto distinto à ponte – uma pedra branca que contrasta com as lojas de madeira pintadas de escuro. O deck foi pavimentado com pedras cinzentas que eram mais claras perto das bordas dos degraus, o que foi uma escolha intencional que ajudou os usuários da ponte a identificar a posição dos degraus com mais facilidade. O tabuleiro principal da ponte está inclinado num ângulo significativo (15°), o que impede que os pedestres vejam o outro lado da ponte de cada margem.

Rialto é feita em rocha calcária de cor branca brilhante
A ponte é construída em rocha calcária de cor branca brilhante

Além do convés fortemente inclinado e das fileiras de lojas que tornam a parte superior do navio bastante distinta, uma das características visuais que definem a Ponte Rialto é o seu arco baixo que atravessa o Grande Canal, com largura de 28,8m e altura de 6,4m.

A repercussão na época

Durante o período de construção, a ponte recebeu comentários negativos de algumas vozes contemporâneas, principalmente do arquiteto concorrente Vincenzo Scamozzi, que declarou que a ponte não duraria muito porque não estava sendo feita no estilo do desenho romano tradicional (com múltiplos e semi-arcos circulares).

Outro arquiteto que havia participado da competição de criação de planos para a construção da ponte foi Andrea Palladio, que havia desenhado uma ideia cujo design se baseava inteiramente na estética romana. E podemos hoje ver como teriam sido essas realizações inspiradas em uma tradição estritamente romana:

Banner blog Italica - Partiu Italia
Projeto de Andrea Palladio
O projeto de Andrea Palladio para a Ponte de Rialto, em 1569.

Os arquitetos modernos elogiam o esforço de construção que o arquiteto original Antonio da Ponte investiu na Ponte Rialto, especialmente a sua complexa superestrutura, o desenho geral simples com um arco e os adornos visuais que ainda hoje contam com um aspecto tão magnífico quanto contavam no final do século XVI. Depois de séculos, a ponte permanece em excelente estado, com apenas uma ligeira descoloração devido a danos causados ​​pela água e algumas manchas na parte inferior do arco.

Ponte Rialto como atração turística

O famoso mercado de peixe de Veneza, localizado no bairro de San Polo, existe há 700 anos, e a parte mais popular dele, uma ponte branca e brilhante de Rialto, resistiu todo esse tempo e conseguiu permanecer preservada em condições quase imaculadas. 

Ponte Rialto em Veneza

Como um dos principais marcos da cidade repleta de edifícios e locais históricos, quase todos os passeios a pé por Veneza nos levam inevitavelmente aos degraus desta antiga ponte. Perto da Ponte Rialto estão localizados alguns dos locais mais célebres da “Cidade Flutuante ” da Itália – Ponte dos Suspiros, Palácio Ducal e a Basílica de São Marcos.

Por ser ativamente utilizada como mercado comercial, o acesso à ponte está aberto ao público durante todo o ano. Os turistas podem visitá-lo por conta própria ou como parte de diversos passeios turísticos.

Se você quiser visitar a Ponte Rialto pessoalmente, poderá encontrá-la entre os bairros de San Marco e San Polo, e pode ser facilmente alcançada pelas linhas 1 e 2 do ônibus aquático Vaporetto através da parada Rialto. Numerosas ruas próximas à ponte também apresentam sinalização fácil de localizar, que aponta para a localização da ponte. Se você estiver viajando em pequenos barcos de transporte de passageiros no Grande Canal, saiba que um pequeno cais foi construído perto da Ponte Rialto.

Durante os meses de primavera, verão e outono, e especialmente durante o auge da temporada turística, a ponte e seus arredores abrigam uma grande variedade de vendedores ambulantes, músicos de rua e lojas turísticas. A parte mais movimentada da ponte costuma ser sua passagem central, repleta de lojas que vendem vidrarias, joias e outros artesanatos locais de Murano (mas também não deixe de aproveitar que Murano está tão pertinho e também se programe para ir ver tudo de perto na célebre ilha de Murano!).

Coloque também em sua programação a chance de ver a ponte durante o pôr-do-sol (com sua base curva iluminada pela luz alaranjada do sol) e depois durante noite, quando o comércio está fechado, pois é quando a ponte permanece iluminada pelos holofotes próximos, que a mantêm em seu estado branco brilhante até o amanhecer, reluzindo sobre a superfície cintilante das águas em movimento.

Ponte Rialto durante a noite

Ponte Rialto na Cultura Popular

Por ter sido uma parte notável de uma das mais belas cidades da Itália durante tantos séculos, a Ponte Rialto conseguiu se tornar um dos ícones mais facilmente identificáveis ​​de Veneza. Hoje é comemorado não apenas como uma importante atração turística, mas também como uma importante peça do patrimônio renascentista e uma bela obra de arte arquitetônica. A aparência da ponte está representada em inúmeras pinturas, recordações turísticas e obras históricas.

O Grande Canal e a Ponte Rialto, por Canaletto, por volta de 1725.

Muitos filmes rodados em Veneza, é claro, não deixam de registrar esta ponte. Entre os sucessos mais notáveis deste século, podemos citar o filme “Casino Royale”, da série James Bond, lançado em 2006, e “Homem-Aranha: Longe de Casa”, de 2019.

Daniel Craig em Veneza - Cassino Royale
Daniel Craig, em Casino Royale (2006)
homem-aranha-rialto_ponte
A Ponte de Rialto, vista em meio a um ataque aquático do vilão de Homem-Aranha: Longe de Casa (2019)

E aí, você gostaria de visitar a Ponte de Rialto?!

Agora aproveite para viajar conosco e veja o Prof. Darius descobrindo como funciona o “metrô” de Veneza!

E volte no tempo com a Profa. Paola Baccin e o Prof. Darius para conhecer mais sobre o período da Peste em Veneza:

Continue de olho nas homenagens e outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera!

A presto!

Capa_facebook - Musicale