Escolha uma Página
O mistério por trás do jardim italiano: Horti Leonini

O mistério por trás do jardim italiano: Horti Leonini

O Horti Leonini é um famoso jardim localizado em San Quirico d’Orcia, uma encantadora vila na região da Toscana, na Itália. Este jardim histórico é uma jóia paisagística que remonta ao século XVII. É conhecido por seu design geométrico clássico e sua atmosfera serena, oferecendo aos visitantes uma experiência única entre as belezas naturais da Toscana. Mas há também um mistério envolvendo sua criação.

O Jardim Horti Leonini

O jardim foi encomendado por Diomede Leoni, um nobre local, no século XVII, mais precisamente em 1580, daí o nome “Horti Leonini”, que significa “Jardins de Leoni”. A concepção do jardim reflete os princípios do estilo renascentista italiano, com caminhos geométricos, canteiros de flores, sebes aparadas e elementos arquitetônicos que proporcionam um ambiente elegante e tranquilo.

A grandeza por trás da construção desse jardim levou a historiadora Isa Bella Bersali a escrever que há ali sinais que revelam a “mão de um arquiteto desconhecido e importante”. (Baldassare Peruzzi e le ville senesi nel cinquecento, 1977).

E o que tem contribuído para atrair ainda mais pessoas é o fato de que, através de cartas de Diomede, descobrimos algumas informações importantes. Leoni estava trabalhando como um “agente” em Roma na época do final da Renascença. Ele prestava serviços para um cardeal veneziano e para os Medici, e fez amizade com ninguém mais ninguém menos do que Michelangelo. E aqui é que começa o mistério. Não há nenhum registro de quem teria sido contratado para desenvolver o jardim. Algumas pessoas podem pensar que o próprio Diomede teria sido o responsável pelos desenhos, mas o equilíbrio de cada detalhe chama atenção de especialistas por ser algo geometricamente perfeito. Isso tem levado muitos pesquisadores e historiadores a levantarem a teoria de que o próprio Michelangelo pode ter desenhado o que hoje encontramos aqui!

Horti Leonini
Mapa Jardim Horti Leonini

O espaço todo é criado por duas paredes colocadas a 45 graus, uma da outra. E a forma triangular do jardim torna-se mais dramática devido ao nível do solo que está inclinado para cima a partir do ponto de entrada.

Portão principal na Piazza Centrale e vestíbulo de entrada

Ao chegar ao portão, a primeira coisa que se nota é a explosão de espaço criada pelas duas paredes do jardim colocadas a 45 graus uma da outra. A forma triangular do jardim torna-se mais dramática com o plano do solo inclinado para cima a partir deste ponto de entrada.

É possível ver a forma de um trapézio, moldado pelos muros do jardim e pelo pequeno muro baixo na frente. Embutidos no pavimento há uma série de triângulos, uma sugestão dos padrões geométricos repetidos na disposição das sebes e no desenho geral do jardim.

Vista aérea Horti Leonini

Placas

Inscrições em mármore são algumas das poucas decorações que Diomede colocou no jardim. No vestíbulo de entrada avista-se uma porta de madeira com uma placa acima localizada à direita.

Durante a caminhada é possível encontrar dez placas de mármore com inscrições em latim de versos de poetas romanos, que comunicam ao visitante os benefícios da vida no campo, longe da cidade. Uma delas é das Odes, de Horácio:

“Pare de admirar a fumaça, as riquezas e o barulho de Roma!”

(“Omitir mirari beatae fumum et opes strepitumo romae” – Horácio, Odes, III, 29)

A conexão visual da Palazzetta 

A Palazzetta é uma casa de apenas alguns metros de largura que proporcionou um refúgio à nobreza que ali tivesse que parar durante o longo percurso da estrada para Roma ou Florença.

O interior possui diversas placas destinadas a mostrar sua erudição aos que tiveram a sorte de ali permanecer.

Na base da escadaria da Palazzetta, é possível observar outra placa de mármore, estrategicamente localizada no final do caminho diagonal que liga ao portão leste. A inscrição dá as boas-vindas ao visitante, que se hospedaria ali após longas viagens:

“Viajantes cansados ​​são bem-vindos em nosso lar.”

“Peregrino labore fessi / venimus larem ad nostrum” – Catulo, 31 

Esta pequena casa foi construída enquanto se buscava reparar as muralhas da cidade, que estavam ali danificadas pela guerra de Siena com Florença, na década de 1550. A última batalha de Siena foi travada nas proximidades de Montalcino. E os exércitos saquearam também San Quirico, deixando as muralhas protetoras da cidade em ruínas. Os exércitos florentinos venceram e posteriormente reivindicaram toda Siena e seus territórios, formando a moderna Toscana.

Ao longo dos anos, o Horti Leonini passou por várias fases de restauração e preservação, mantendo-se fiel ao seu projeto original, por isso os turistas podem encontrar nos dias de hoje muito do que foi visto e pensado há mais de 400 anos. Naturalmente, é um espaço apreciado tanto por turistas quanto por amantes de jardinagem e história, oferecendo um refúgio sereno e cultural no coração da Toscana.

A chance de ver de perto uma construção que pode ter sido pensada por Michelangelo tornou esse espaço localizado no Val d’Orcia uma parada muito especial para os turistas! Você gostaria de visitar?!

Quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se em nossa lista de espera e saiba quando irá abrir a nossa próxima.

Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural italiana como um todo, aqui no blog, ou pelo nosso newsletter. E também acompanhe nossas publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

A presto!

A impressionante reconstrução da Ponte de Rialto de Veneza

A impressionante reconstrução da Ponte de Rialto de Veneza

Quase 900 anos se passaram desde o primeiro modelo da ponte que é um dos pontos mais visitados em Veneza! A Ponte de Rialto é uma das pontes mais famosas de todo o mundo. Ela atravessa o Grande Canal de Veneza na parte mais curta e liga os bairros de San Marco e San Polo. Sua atual estrutura foi construída ao longo de apenas 4 anos, entre os anos de 1588 e 1591, no local que abrigava pontes flutuantes mais antigas, e com a missão de se tornar um ponto de passagem central na parte cada vez mais congestionada da cidade de Veneza. Mas sua origem, em outro formato, data do século XII!

É impressionante pensar no número de barcas que passam por aqui diariamente. Segundo dados das autoridades locais, a cada 10 horas, passam por debaixo da Rialto mais de 1.600 barcas, 700 táxis aquáticos e 200 gôndolas!

A chance de vermos de perto uma construção que tem uma história tão repleta de estágios surpreendentes se torna ainda mais especial quando podemos saber os detalhes secretos guardados entre as pedras que sustentam a estrutura visível! 

Desde o ano de 1181 existiu aqui uma ponte flutuante, chamada Ponte della Moneta (especula-se que nas redondezas eram cunhadas as moedas que circulavam em Veneza). Esse primeiro modelo da ponte era feito de madeira e foi construído por Nicolò Barattieri. Essa construção ajudou muito essa região, concentrando o comércio, com mercados maiores, assim como acontecia ao redor de outras pontes urbanas na Europa medieval. Os comerciantes viam o apelo da travessia permanente da água como uma atração especialmente vantajosa para estabelecerem suas lojas. E aqui não foi diferente: algumas lojas foram colocadas diretamente no convés, ao lado, e depois até mesmo ao longo da ponte, apoiadas por vigas de madeira acima da água, e perto das entradas das pontes.

A estrutura de madeira da antiga Ponte de Rialto, no período medieval de Veneza.

À medida que o mercado de Rialto crescia, o tráfego de pedestres no lado leste da cidade aumentou tanto que a ponte flutuante ficou congestionada com viagens, e o tráfego aquático através do Grande Canal também foi muito afetado pela ponte flutuante, que acabava impedindo que navios de todos os tamanhos se deslocassem livremente pela via navegável central de toda a cidade de Veneza. 

A primeira solução para esses problemas foi tentada em 1255 com a construção da primeira ponte permanente de madeira sobre o Grande Canal. Para permitir que os barcos atravessassem facilmente o canal, a ponte apresentava duas rampas inclinadas que se encontravam numa seção central móvel. Esta seção poderia ser elevada para permitir a passagem até de navios altos.

Modelo tridimensional que recria a estrutura e o funcionamento da seção móvel do centro da antiga Ponte de Rialto.
Rialto em Madeira
A difícil passagem de um navio alto pelo setor central da ponte, quando ainda não contava com lojas em sua extensão.

A ponte de madeira foi renomeada para Ponte de Rialto durante o século XIV, antes mesmo de passar por reformas que a transformassem na estrutura que conhecemos hoje. Mas, no século XV, ela já passou a ser uma parte integrante do mercado regional com a instalação de lojas diretamente na estrutura da ponte, assim como encontramos hoje – aliás, este é um detalhe que surpreende muitos turistas, que não imaginam que encontrarão lojas ao longo dos degraus da ponte. Essas lojas que vemos hoje foram dispostas em duas fileiras ao longo das laterais da ponte, com o deck central deixado para passagem a pé.

Ponte de Rialto por Vittore Carpaccio
Il Miracolo della Croce a Rialto, Vittore Carpaccio (c.1465 – c.1526)
O Milagre da Relíquia da Santa Cruz na Ponte Rialto
Em algumas fontes, a pintura é chamada de Guarigione dell’ossesso (“Cura dos Obsessos”), em outras é chamada “O Milagre da Relíquia da Santa Cruz na Ponte Rialto”.

Embora as autoridades municipais tenham recolhido impostos para financiar e manter a ponte em seus modelos iniciais, a ponte de madeira de Rialto não conseguiu sobreviver intacta entre o momento em que foi construída e o momento em que foi substituída por uma ponte permanente de pedra. A ponte foi parcialmente queimada durante a revolta de 1310, então liderada por Bajamonte Tiepolo. Quase um século e meio depois, ela desabou na água durante a cerimônia de casamento de Marchessa di Ferrara, em 1444, o que causou a queda de todos os espectadores na água! E 80 anos depois, em 1524, ela desabou totalmente.

A construção final da Ponte Rialto

Foi antes de desabar por completo, que começaram a surgir as primeiras ideias sobre substituí-la por um modelo mais seguro e bem arquitetado. Em 1504, essas ideias já defendiam uma estrutura permanente de pedra que proporcionasse passagem a pé através do Grande Canal de quase 50 metros de largura, que tivesse então um deck largo o suficiente para abrigar uma fileira de lojas e, principalmente, que fornecesse espaço suficiente abaixo de sua estrutura para possibilitar a passagem de navios.

Não era nada fácil a missão dos construtores, dos designers e dos artistas da época, que foram contratados pelas autoridades de Veneza para simplesmente construírem o que já recebia o título de “ponte eterna”. 

Após décadas de deliberações, as autoridades de Veneza finalmente se dividiram para financiar o desenvolvimento de uma ponte totalmente de pedra. Para isso, contataram todos os principais construtores de pontes e decoradores de estruturas da época, incluindo arquitetos como Jacopo Sansovino, Palladio, Vignola e até o famoso Michelangelo. O escolhido foi o arquiteto cujo nome não poderia ter combinado mais perfeitamente com sua missão: Antonio da Ponte. Ele desenhou uma ponte muito simples e elegante, que depois foi construída ao longo de quatro anos, entre 1588 e 1591.

O desenho da ponte homenageava a ponte de madeira original , utilizando rampas com inclinação semelhante em ambas as margens que conduziam à passagem do pórtico central. A ponte abrigou fileiras de lojas que existem até hoje, e três passagens – duas nas laterais da ponte e uma passarela central que é cercada por duas fileiras de lojas.

Passagem central de Rialto
A passagem central, com as lojas em ambos os lados.
Os degraus que levam à lateral com vista para o rio e ao setor central, com acesso às lojas.

O arquiteto Antonio da Ponte teve muito cuidado em integrar a Ponte Rialto no ambiente circundante da cidade. Para isso optou por utilizar Pietra d’Istra (rocha calcária de cor branca brilhante) como principal material de construção, o que conferiu de forma muito eficaz um aspecto distinto à ponte – uma pedra branca que contrasta com as lojas de madeira pintadas de escuro. O deck foi pavimentado com pedras cinzentas que eram mais claras perto das bordas dos degraus, o que foi uma escolha intencional que ajudou os usuários da ponte a identificar a posição dos degraus com mais facilidade. O tabuleiro principal da ponte está inclinado num ângulo significativo (15°), o que impede que os pedestres vejam o outro lado da ponte de cada margem.

Rialto é feita em rocha calcária de cor branca brilhante
A ponte é construída em rocha calcária de cor branca brilhante

Além do convés fortemente inclinado e das fileiras de lojas que tornam a parte superior do navio bastante distinta, uma das características visuais que definem a Ponte Rialto é o seu arco baixo que atravessa o Grande Canal, com largura de 28,8m e altura de 6,4m.

A repercussão na época

Durante o período de construção, a ponte recebeu comentários negativos de algumas vozes contemporâneas, principalmente do arquiteto concorrente Vincenzo Scamozzi, que declarou que a ponte não duraria muito porque não estava sendo feita no estilo do desenho romano tradicional (com múltiplos e semi-arcos circulares).

Outro arquiteto que havia participado da competição de criação de planos para a construção da ponte foi Andrea Palladio, que havia desenhado uma ideia cujo design se baseava inteiramente na estética romana. E podemos hoje ver como teriam sido essas realizações inspiradas em uma tradição estritamente romana:

Projeto de Andrea Palladio
O projeto de Andrea Palladio para a Ponte de Rialto, em 1569.

Os arquitetos modernos elogiam o esforço de construção que o arquiteto original Antonio da Ponte investiu na Ponte Rialto, especialmente a sua complexa superestrutura, o desenho geral simples com um arco e os adornos visuais que ainda hoje contam com um aspecto tão magnífico quanto contavam no final do século XVI. Depois de séculos, a ponte permanece em excelente estado, com apenas uma ligeira descoloração devido a danos causados ​​pela água e algumas manchas na parte inferior do arco.

Ponte Rialto como atração turística

O famoso mercado de peixe de Veneza, localizado no bairro de San Polo, existe há 700 anos, e a parte mais popular dele, uma ponte branca e brilhante de Rialto, resistiu todo esse tempo e conseguiu permanecer preservada em condições quase imaculadas. 

Ponte Rialto em Veneza

Como um dos principais marcos da cidade repleta de edifícios e locais históricos, quase todos os passeios a pé por Veneza nos levam inevitavelmente aos degraus desta antiga ponte. Perto da Ponte Rialto estão localizados alguns dos locais mais célebres da “Cidade Flutuante ” da Itália – Ponte dos Suspiros, Palácio Ducal e a Basílica de São Marcos.

Por ser ativamente utilizada como mercado comercial, o acesso à ponte está aberto ao público durante todo o ano. Os turistas podem visitá-lo por conta própria ou como parte de diversos passeios turísticos.

Se você quiser visitar a Ponte Rialto pessoalmente, poderá encontrá-la entre os bairros de San Marco e San Polo, e pode ser facilmente alcançada pelas linhas 1 e 2 do ônibus aquático Vaporetto através da parada Rialto. Numerosas ruas próximas à ponte também apresentam sinalização fácil de localizar, que aponta para a localização da ponte. Se você estiver viajando em pequenos barcos de transporte de passageiros no Grande Canal, saiba que um pequeno cais foi construído perto da Ponte Rialto.

Durante os meses de primavera, verão e outono, e especialmente durante o auge da temporada turística, a ponte e seus arredores abrigam uma grande variedade de vendedores ambulantes, músicos de rua e lojas turísticas. A parte mais movimentada da ponte costuma ser sua passagem central, repleta de lojas que vendem vidrarias, joias e outros artesanatos locais de Murano (mas também não deixe de aproveitar que Murano está tão pertinho e também se programe para ir ver tudo de perto na célebre ilha de Murano!).

Coloque também em sua programação a chance de ver a ponte durante o pôr-do-sol (com sua base curva iluminada pela luz alaranjada do sol) e depois durante noite, quando o comércio está fechado, pois é quando a ponte permanece iluminada pelos holofotes próximos, que a mantêm em seu estado branco brilhante até o amanhecer, reluzindo sobre a superfície cintilante das águas em movimento.

Ponte Rialto durante a noite

Ponte Rialto na Cultura Popular

Por ter sido uma parte notável de uma das mais belas cidades da Itália durante tantos séculos, a Ponte Rialto conseguiu se tornar um dos ícones mais facilmente identificáveis ​​de Veneza. Hoje é comemorado não apenas como uma importante atração turística, mas também como uma importante peça do patrimônio renascentista e uma bela obra de arte arquitetônica. A aparência da ponte está representada em inúmeras pinturas, recordações turísticas e obras históricas.

O Grande Canal e a Ponte Rialto, por Canaletto, por volta de 1725.

Muitos filmes rodados em Veneza, é claro, não deixam de registrar esta ponte. Entre os sucessos mais notáveis deste século, podemos citar o filme “Casino Royale”, da série James Bond, lançado em 2006, e “Homem-Aranha: Longe de Casa”, de 2019.

Daniel Craig em Veneza - Cassino Royale
Daniel Craig, em Casino Royale (2006)
homem-aranha-rialto_ponte
A Ponte de Rialto, vista em meio a um ataque aquático do vilão de Homem-Aranha: Longe de Casa (2019)

E aí, você gostaria de visitar a Ponte de Rialto?!

Agora aproveite para viajar conosco e veja o Prof. Darius descobrindo como funciona o “metrô” de Veneza!

E volte no tempo com a Profa. Paola Baccin e o Prof. Darius para conhecer mais sobre o período da Peste em Veneza:

Continue de olho nas homenagens e outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera!

A presto!

Conheça as barzellette italianas: benefício de aprender com piadas!

Conheça as barzellette italianas: benefício de aprender com piadas!

Você já ouviu alguma barzellette? Isto é, piadas, como chamamos em italiano. A abordagem lúdica de aprender um idioma por meio de piadas e bom humor oferece benefícios didáticos significativos. A utilização de elementos cômicos cria um ambiente descontraído e agradável, que estimula a participação ativa. Além disso, o uso de piadas explora aspectos culturais, com jogos de palavras e nuances linguísticas que promovem uma compreensão mais profunda sobre variados aspectos da cultura que estamos estudando.

Aprender com humor

O bom humor também desempenha um papel crucial na retenção da informação. As piadas, ao serem memoráveis, facilitam a recordação de vocabulário e estruturas linguísticas! E, é claro, a associação positiva das risadas desencadeadas pelas piadas ajuda a reduzir a ansiedade que muitas pessoas experimentam no desafio do aprendizado. Isso tudo permite que os alunos se expressem com mais confiança e um sorriso verdadeiro no rosto.

Professor Darius da ITALICA

Incorporar o humor no dia a dia do estudo pode ser difícil, afinal de contas estudar é coisa séria também. Mas o papel de bons professores, e de um bom método de ensino, é saber diminuir essas distâncias entre o que é sério e o que também pode ser divertido. Ao incorporar o humor, os estudantes não apenas absorvem o idioma de maneira mais eficaz, mas também descobrem uma apreciação mais envolvente pela cultura associada à língua. Esse método dinâmico e divertido não apenas acelera o processo de aprendizado, mas transforma a aquisição de um novo idioma em uma jornada cativante e motivadora.

É pensando nesses valores que criamos nossos variados conteúdos aqui na ITALICA. E, inclusive, já fizemos uma live só com piadas! Aproveite agora para descobrir as chamadas barzellette que o Prof. Darius levou a uma live especial! 

Buona visione!

Quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera!

Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural italiana como um todo, aqui no blog, ou pelo nosso newsletter. E também acompanhe nossas publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

A presto!

Os povos itálicos pré-romanos e as raízes da língua italiana

Os povos itálicos pré-romanos e as raízes da língua italiana

A história linguística e cultural da Itália remonta a tempos antigos, onde uma rica tapeçaria de povos itálicos pré-romanos moldou as bases das tradições que eventualmente evoluíram para a língua italiana que conhecemos hoje. Esses povos, com suas diversas línguas e culturas, desempenharam um papel fundamental na formação da identidade italiana.

Antes do Império Romano

Antes da expansão do Império Romano, a península itálica era habitada por diferentes grupos étnicos, cada um contribuindo de maneira única para o mosaico cultural. Entre esses povos itálicos, destacam-se os Etruscos, os Umbros, os Sabinos, os Samnitas e os Latinos, entre outros.

Raízes da língua italiana

Os Etruscos, por exemplo, habitavam a região da Etrúria (atual Toscana) e desenvolveram uma civilização avançada com uma escrita própria. Embora a língua etrusca tenha influenciado apenas marginalmente o latim, as interações culturais foram cruciais para a formação da sociedade romana.

Arte etrusca: pintura no “Túmulo dos Touros”, em Tarquinia

Explore imagens de um compilado do Museo Etrusco Guarnacci – 2008 abaixo:

Os Latinos, por sua vez, eram um grupo que se destacou, especialmente com a ascensão de Roma. A língua latina, falada pelos romanos, tornou-se a base do latim vulgar, que evoluiu para o italiano. O latim era originalmente uma língua de prestígio usada pelos escribas e pelas classes educadas, mas, ao longo do tempo, foi sendo assimilada pelas populações locais.

Diversidade latina
Latinos

As raízes da língua italiana

A diversidade linguística na Itália antiga é evidenciada pela coexistência de vários dialetos e línguas itálicas. Os Umbros, na região central da península, falavam o umbro; os Samnitas, no sul, falavam o osco; e assim por diante. Essas línguas compartilhavam características comuns, mas também exibiam singularidades que contribuíram para a riqueza linguística da região.

raízes da língua italiana Umbria

Com o tempo, a expansão romana unificou grande parte da península sob um governo central, levando ao domínio do latim como língua franca. Contudo, a penetração do latim não foi uniforme, e muitos dialetos itálicos resistiram à influência romana.

Ao longo dos séculos, especialmente durante a Idade Média, o latim vulgar, falado pelas populações locais, evoluiu para os dialetos românicos, que deram origem às línguas românicas modernas, incluindo o italiano. A consolidação do italiano como uma língua distintiva ocorreu no período renascentista, com figuras como Dante Alighieri, autor da “Divina Comédia”, contribuindo significativamente para a sua padronização.

As raízes da língua italiana estão, assim, profundamente entrelaçadas com as experiências e interações dos povos itálicos pré-romanos. A diversidade cultural e linguística desses grupos é um reflexo da complexidade histórica da península itálica, que contribuiu para a riqueza e a diversidade que caracterizam a Itália e sua língua oficial, o italiano. Essa jornada através do tempo revela não apenas as origens da língua, mas também a resiliência e a riqueza das tradições que moldaram a identidade italiana ao longo dos séculos.

Produzimos lives que abordaram muitos detalhes dessa trajetória da língua italiana. Assistindo, você descobrirá mais sobre esse espetacular caminho das línguas e sobre as heranças milenares que carregamos, literalmente, na ponta da língua, em cada palavra que pronunciamos hoje, seja no italiano ou no português. Destacamos abaixo, buona visione!

Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural italiana como um todo, aqui no blog, ou pela nossa newsletter

E também acompanhe nossas publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

A presto!

Conheça Laura Bassi: a cientista esquecida pela história

Conheça Laura Bassi: a cientista esquecida pela história

Uma mulher nascida em 1711 é, simplesmente, uma das figuras mais importantes da história, e mesmo assim pouco ouvimos falar sobre ela quando nos deparamos com os registros dos livros de história. O nome dela é Laura Bassi, nascida em Bologna. Se em seu tempo já era difícil quebrar barreiras que impediam a expressão de muitas mulheres, imagine conseguir fazer isso num período em que tantos gênios dominavam o discurso público. Afinal de contas, estamos falando da época do iluminismo, quando Isaac Newton e Voltaire estavam vivos. Mas aí é que está: a genialidade de Laura Bassi chamou a atenção inclusive dessas outras grandes mentes que encontramos nos livros de história: os próprios Isaac Newton e Voltaire reconheciam as valiosas contribuições de Laura Bassi aos campos de estudo da ciência. 

Retrato de Laura Bassi

Apesar disso, apenas recentemente ela tem sido redescoberta e reconhecida por tantas de suas contribuições pioneiras no campo da física experimental.

A história de Laura Bassi

Laura Bassi estudou na Universidade de Bologna e ali se destacou em matemática e física. Em 1732, ainda aos 21 anos, já se tornava a primeira mulher a receber um diploma de doutorado em física na Europa.

Também foi a primeira mulher a ocupar uma cátedra e dar aulas na Universidade de Bologna, onde realizou pesquisas sobre fenômenos elétricos e óticos, contribuindo para o avanço da física experimental.

Universidade de Bologna
As históricas arcadas da milenar Universidade de Bologna, a universidade mais antiga do mundo.

Ela despertou a admiração até mesmo do arcebispo Prospero Lambertini (que depois viria a se tornar o papa Bento XIV) e em 1745 foi incluída no grupo de elite de 25 estudiosos, chamado “Benedettini”, criado justamente por Lambertini, depois de se tornar Papa.

Apesar de toda a admiração que recebia, imposições a limitaram em sua jornada de vitórias: por ser mulher, recebia permissão para lecionar apenas em ocasiões especiais, com autorização dos superiores da universidade. Sua primeira aula aconteceu em 17 de dezembro de 1732, no famoso teatro anatômico do Archiginnasio de Bolonha, onde, a partir de 1734 ela foi convidada a participar da cerimônia anual de Anatomia Pública.

Teatro anatômico do Archiginnasio de Bolonha
Teatro anatômico do Archiginnasio de Bolonha

Quatro anos depois de iniciar sua profissão, casou-se com o médico Giuseppe Veratti, professor de física da universidade. Do casal nasceram oito filhos, dos quais apenas cinco sobreviveram. Em 1749, Laura Bassi iniciou cursos de física experimental com grande sucesso. Por ser o único curso da disciplina em Bolonha, o Senado acadêmico reconheceu a sua utilidade pública e atribuiu a Laura Bassi um salário de 1000 liras, um dos mais elevados da universidade de Bolonha.

Laura Bassi utilizava teorias newtonianas e não aristotélicas e buscou aplicá-las em múltiplos campos de pesquisa, em particular na física elétrica. Graças à estima que conquistou através da sua investigação e da sua atividade docente, conseguiu que lhe fosse atribuída, em 1776, a cátedra de professora de física experimental no Instituto de Ciências, e desta vez, finalmente, sem qualquer nulidade por ser mulher. 

Avançando em muitos campos teóricos, Laura Bassi conseguiu usar o cálculo diferencial para estudar o movimento dos chamados “sistemas multicorpos”, um problema bastante complexo. Outras de suas contribuições importantes tratavam do movimento de fluidos e da eletricidade. Bem à frente do tempo, algumas das suas experiências a levaram a conjecturar a existência de uma relação direta entre o campo elétrico e o campo magnético.

Ela faleceu em 20 de fevereiro de 1778 e foi sepultada na igreja Corpus Domini.

Laura Bassi

Quebrando barreiras

Laura Bassi venceu obstáculos inimagináveis em uma época em que as mulheres tinham acesso limitado à educação superior e à pesquisa científica. E hoje pode ser devidamente reconhecida como uma das pessoas mais influentes na história da ciência italiana e uma inspiração para mulheres cientistas em todo o mundo.

Continue explorando os grandes feitos de outras personalidades italianas. E aproveite para fechar este mês de março lendo nossa homenagem ao Dia Internacional das Mulheres, no artigo em que refletimos sobre o valor essencial das realizações que queremos alcançar, afinal de contas, estudar italiano aqui na ITALICA é também mergulhar nos valores culturais que permitem uma apreciação completa do idioma e da história da Itália. Por isso relembramos: a conquista e a luta das mulheres italianas, e de todo o mundo, é um avanço civilizatório que nos enche de orgulho!

Continue de olho nas homenagens e outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!