Escolha uma Página
Descubra o fabuloso bairro de Cinecittà, em Roma

Descubra o fabuloso bairro de Cinecittà, em Roma

Cinecittà é um famoso bairro localizado em Roma, conhecido por seu estúdio cinematográfico homônimo, Cinecittà Studios. Este estúdio é o maior da Europa e tem uma longa história ligada à indústria cinematográfica italiana.

O bairro foi originalmente concebido como um empreendimento para promover o cinema italiano durante o regime fascista, por isso foi fundado por Benito Mussolini em 1937. Ao longo dos anos, mesmo após a queda do regime fascista, o bairro tornou-se um importante centro de produção cinematográfica na Europa. Muitos filmes clássicos italianos foram filmados lá, incluindo La Dolce Vita (1960), de Federico Fellini, e até mesmo produções de Hollywood, como o épico Ben-Hur (1959), de William Wyler, que utilizou extensivamente esses estúdios para recriar o esplendor da Roma Antiga. 

Gravações de Ben-Hur
Gravações de Ben-Hur
Charlton Heston em Ben-Hur
Charlton Heston em Ben-Hur

A arquitetura dos estúdios de Cinecittà é única, contando com conjuntos arquitetônicos versáteis e temáticos, permitindo que diretores criem ambientes específicos para seus filmes. Isso contribuiu para a flexibilidade do estúdio em acomodar uma variedade de gêneros cinematográficos.

Desde reproduções precisas de templos antigos até bairros modernos, o estúdio oferece uma rica variedade de cenários. Curiosidades incluem o uso engenhoso de perspectivas forçadas e a habilidade de transformar um conjunto em diferentes locações, permitindo que uma única rua sirva como pano de fundo para cenários distintos em filmes diferentes.

Bastidores de Ben Hur

Para se fazer um paralelo, aqui no Brasil, conhecemos algo próximo disso: os estúdios do Projac, da Rede Globo, cuja versatilidade permitiu que muitas cenas de novelas temáticas da Itália, como Terra Nostra e Esperança, fossem gravadas com uma qualidade fidedigna sem que os atores precisassem estar o tempo todo fora do Brasil. 

Estúdios do Projac, durante a gravação de Esperança (2002)
Estúdios do Projac, durante a gravação de Esperança (2002)

O bairro

E Cinecittà também é um bairro como outro qualquer. Além de estúdio cinematográfico, esse nome se refere também a um bairro residencial em Roma. Com uma mistura de áreas residenciais e comerciais, o bairro tem uma atmosfera única e é conhecido por seus espaços verdes.

A atmosfera do bairro mantém uma ligação com sua história cinematográfica. Existem murais e elementos decorativos que celebram o mundo do cinema, dando ao bairro uma sensação única e artística.

Atrações e Cultura


O bairro é rico em atrações culturais, incluindo o Museu Cinecittà Si Mostra, que oferece uma visão fascinante dos bastidores do cinema italiano e internacional.

Templo de Jerusalém em exposição no Museu Cinecittà Si Mostra
Réplica de um Templo de Jerusalém em exposição no Museu Cinecittà Si Mostra
Cenário das ruas da Roma Antiga
Caminhe por um dos cenários das ruas da Roma Antiga!

Parque Cinecittà World

Além do estúdio e do bairro, Cinecittà também abriga um parque temático chamado Cinecittà World, que oferece atrações e entretenimento baseados no mundo do cinema, proporcionando uma experiência imersiva para os visitantes.

Mapa do Parque Cinecittà World

Você imaginava que existia tudo isso num bairro de Roma?!

Gostaria de conhecer?

Com certeza pode valer a pena, principalmente se você ama cinema! Cinecittà é um bairro multifacetado, que nos permite viajar no tempo e conhecer também a rica contribuição italiana à história do cinema internacional.

 Continue de olho nas nossas publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

A arte contemporânea italiana continua influenciando o mundo

A arte contemporânea italiana continua influenciando o mundo

O Renascimento italiano definiu padrões estéticos e técnicos que ecoaram por séculos, até os dias de hoje, e a arte contemporânea italiana desafia esses paradigmas, redefinindo constantemente as fronteiras da expressão artística. Hoje poderemos explorar um pouco desse mundo tão cheio de significados. E quando falamos de arte, neste caso, não nos limitaremos a falar apenas da arte da pintura. Veremos como a interação entre a arte contemporânea italiana e a tradição clássica do Renascimento revela um diálogo fascinante que ultrapassa as fronteiras da Itália, e também os limites do estilo e das épocas.

A arte moderna contemporânea

É interessante começarmos pensando que a ideia do termo “arte contemporânea” é absolutamente relativa. Imagine quem pôde andar pelas ruas de Firenze e avistar Michelangelo atravessando a rua. Essa pessoa que pôde viver ao mesmo tempo que os grandes pintores renascentistas não olhava para aquelas artes como artes necessariamente “clássicas” ou “renascentistas”, eram artes de seu próprio tempo, ou poderíamos dizer “artes contemporâneas“. Os mestres se tornam inquestionavelmente clássicos conforme o tempo passa e as gerações seguintes olham e revisitam as obras com o conhecimento de um outro tempo, futuro.

Albero porta cedro
“Albero porta cedro”, de Giuseppe Penone, 2012

Nesse sentido, é muito importante compreendermos que as influências de cada período só são entendidas e medidas de acordo com a durabilidade da presença de determinadas criações. Por outro lado, o mundo moderno, globalizado, apresentou uma nova possibilidade de disseminação internacional: as artes hoje viajam o mundo numa velocidade impensável no tempo do Renascimento. O que é produzido hoje na Itália já pode ser visto em qualquer parte do mundo em questão de minutos, e assim as influências e as inspirações também ganharam novo poder e mais intensidade.

Influências duradouras

A rica tradição artística da Itália não se limita aos mestres renascentistas, mas continua a prosperar no cenário contemporâneo, contribuindo de maneiras inovadoras e emocionantes para a cena global da arte. Neste contexto, exploraremos a influência da arte contemporânea italiana, destacando três artistas que desempenham papéis cruciais na moldagem dessa narrativa contemporânea.

Maurizio Cattelan

A influência do Renascimento é evidente em muitos artistas contemporâneos italianos, que, embora estejam conscientes da rica herança artística do passado, optam por subverter e reinterpretar essas tradições. 

Um dos artistas que se destacam na vanguarda da cena artística italiana é Maurizio Cattelan, nascido em 1960, em Pádua. Ele se destaca por criar esculturas e espaços, gerando uma ideia de cenário. Assim como a pintura, a arte de Maurizio Cattelan permite uma avaliação da cena e dos sentidos que se complementam quando observamos cada elemento e analisamos a maneira como eles criam uma história.

Essas criações são provocativas e muitas vezes satíricas, assim Cattelan desafia as convenções artísticas tradicionais, provocando há décadas uma reflexão crítica sobre temas sociais e religiosos, lembrando-nos da habilidade renascentista de questionar e desafiar as normas estabelecidas.

Seu trabalho transcende as fronteiras da escultura e da performance, oferecendo uma crítica afiada à sociedade contemporânea. Uma de suas obras mais emblemáticas, “La Nona Ora” (A Nona Hora), apresenta uma escultura de cera do Papa João Paulo II atingido por um meteorito; estão aí temas de poder, religião e mortalidade de maneira provocativa e única. 

La Nona Ora
“La Nona Ora,” arte que imagina o Papa João Paulo II atingido por um meteorito, é parte da exposição “Maurizio Cattelan: Be Right Back

Essa capacidade de Cattelan de criar obras que provocam reflexões profundas, enquanto desafiam as expectativas estéticas, não é a única razão de ele estar no epicentro da influência artística italiana. Outro bom exemplo de sua arte demonstra sua sensibilidade para questões do cotidiano. É uma das figuras de sua exposição chamada Breath Ghosts Blind: uma escultura em mármore Carrara que representa um homem e um cachorro, deitados um de frente para o outro. O espaço em torno não recebeu decorações, foi deixado completamente escuro, com uma única luz que ilumina as duas figuras. Podemos ver assim, por exemplo, a intimidade e a união e chegar a uma sensação de que a existência de uma é essencial para a existência da outra.

Respiração de Maurizio Cattelan
Intitulada “Respiração”, é parte da exposição “Breath Ghosts Blind”

Outro nome que destacamos é Francesco Clemente, nascido em 1952, em Nápoles. Com sua fusão única de estilos, dialoga diretamente com o ecletismo renascentista, que também combinava influências diversas. 

Sua criação artística é uma mescla ousada que reflete uma exploração da identidade, da espiritualidade e das culturas, no plural mesmo, porque Francesco Clemente desafia categorizações convencionais, fundindo elementos do Oriente e do Ocidente. Suas obras são figurativas e simbólicas e revelam uma visão singular que transcende as fronteiras culturais, destacando-se como uma expressão inovadora na cena artística global, não apenas na Itália.

Francesco Clemente
Arte contemporânea italianaFrancesco Clemente Palimpsesto
Retrato de Francesco Clemente Palimpsesto
Exposição “Francesco Clemente: Palimpsesto”

Para finalizar nossa seleção, escolhemos Giuseppe Penone, um nome de grande influência. Ao esculpir árvores para revelar camadas internas, ele evoca a ênfase renascentista na observação detalhada da natureza. Ele nasceu em Garessio, em 1947 e vive em Turim, na Itália. É um escultor de renome internacional, conhecido por suas esculturas especialmente originais: são feitas em grande escala, com árvores, e revelam muito de um pensamento crítico sobre a ligação entre o homem e o mundo natural, dialogando bastante com os movimentos que buscam chamar atenção para as consequências das mudanças climáticas.

Giuseppe Penone

Seus primeiros trabalhos são frequentemente associados ao movimento “Arte povera”, que data da segunda metade dos anos 1960, quando dava-se ênfase à ideia de um trabalho artístico cujo processo poderia ganhar muito com o uso de materiais e elementos não convencionais no campo da arte. Em 2014, Penone recebeu o prestigioso prêmio Praemium Imperiale. É possível conhecer de perto a obra de Penone aqui no Brasil, em Inhotim, Minas Gerais.

Giuseppe Penone trabalhando em escultura
Giuseppe Penone trabalhando

Em obras como “Albero” (Árvore), ele esculpe árvores para revelar os anéis de crescimento internos, enfatizando a conexão intrínseca entre a natureza e a experiência humana. Sua arte traz uma perspectiva única para a cena artística contemporânea, desafiando os espectadores a reconsiderar sua relação com o mundo natural em um contexto cada vez mais tecnológico.

Escultura de Penone
contemporânea italiana - Escultura de Giuseppe Penone
Giuseppe Penone com escultura
Escultura de Giuseppe Penone

Podemos começar a ver como a arte contemporânea italiana não é uma ruptura, mas uma conversa dinâmica com o Renascimento, demonstrando que, mesmo em meio à inovação e experimentação, a influência duradoura da tradição clássica continua a inspirar e moldar a expressão artística contemporânea.

Em conjunto, Cattelan, Clemente e Penone exemplificam a diversidade e a profundidade da arte contemporânea italiana. Suas obras desafiam as tradições, exploram novas fronteiras conceituais e, ao fazê-lo, enriquecem a paisagem artística global. Ao olharmos para além dos estereótipos e clichês associados à arte italiana, encontramos uma narrativa artística vibrante e em constante evolução, que continua a moldar e inspirar o cenário artístico contemporâneo em todo o mundo.

 Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural que construiu a Itália aqui no blog e confira nossas outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

O legado de Gian Lorenzo Bernini na história da arquitetura

O legado de Gian Lorenzo Bernini na história da arquitetura

Você sabia que foi o escultor Bernini o responsável pelo projeto arquitetônico da Praça de São Pedro no Vaticano? Vamos voltar um pouco no tempo e traçar um início.

A história da arquitetura está entrelaçada com o legado artístico e inovador da Itália, um país que, desde os tempos do Império, serviu como epicentro para muitos movimentos e estilos arquitetônicos ao longo dos séculos. Nesse contexto riquíssimo, é impossível não destacarmos a figura de Gian Lorenzo Bernini, um dos mais notáveis arquitetos e escultores do período barroco, cujo trabalho continua a exercer uma influência monumental na paisagem arquitetônica global.

Gian Lorenzo Bernini

Retrato de Gian Lorenzo Bernini

O Barroco, um movimento artístico que floresceu nos séculos XVII e XVIII, foi marcado por uma estética teatral, ornamentação extravagante e uma ênfase nas emoções. Nesse cenário, Bernini emergiu como um líder incontestável, contribuindo não apenas para a escultura, mas também para a arquitetura com uma visão unificadora que transcendia os limites tradicionais dessas disciplinas.

Piazza San Pietro

Praça São Pedro no Vaticano

As contribuições arquitetônicas de Bernini são imortalizadas em obras como a Praça de São Pedro, no Vaticano. Seu design grandioso, com uma colunata que abraça os visitantes, não apenas cria uma sensação de boas-vindas, mas também incorpora simbolismos religiosos, revelando uma profunda compreensão da interação entre o espaço físico e as pessoas. A Praça de São Pedro é um testemunho da maestria de Bernini em unir elementos arquitetônicos e artísticos para criar experiências transcendentais.

Praça Vaticano São Pedro

Igreja de Santa Maria della Vittoria

Outra realização arquitetônica notável de Bernini é a composição da Capela Cornaro, na Igreja de Santa Maria della Vittoria, em Roma, onde Bernini colocou uma de suas esculturas mais conhecidas, L’Estasi di Santa Teresa d’Avila.

Igreja Santa Maria della Vittoria em Roma
A Igreja de Santa Maria della Vittoria
Êxtase de Santa Teresa de Bernini

“O Êxtase de Santa Teresa” é a peça central neste espaço sagrado, onde Bernini transcendeu as limitações físicas, dando vida à escultura e à arquitetura de maneira harmoniosa. É uma obra-prima que combina a escultura, a iluminação vinda de cima, por uma claraboia, e portanto a arquitetura para evocar uma experiência única. Bernini não apenas desenha o espaço, mas manipula a luz e a forma física da matéria para guiar as emoções dos espectadores, transformando a capela em um teatro celestial.

Estatua Êxtase de Santa Teresa de Bernini

A influência de Bernini estende-se para além das fronteiras italianas. O arquiteto desempenhou um papel significativo na formação do estilo barroco que se espalhou por toda a Europa e além. Seu conceito de fusão entre escultura e arquitetura influenciou gerações subsequentes de arquitetos, moldando a maneira como o espaço é percebido e experimentado. Os princípios inovadores de Bernini também deixaram uma marca indelével em arquitetos contemporâneos, que continuam a encontrar inspiração em sua abordagem integrada.

No entanto, o legado de Bernini vai além de suas realizações físicas. Seu trabalho influenciou a própria natureza da prática arquitetônica, destacando a importância da narrativa e da emoção na concepção de espaços. A busca incessante por uma fusão entre o divino e o humano permeia sua obra, revelando uma compreensão única da arquitetura como meio de comunicação espiritual.

São feitos monumentais que não apenas adornam as paisagens urbanas, mas também moldam a própria essência da disciplina. A genialidade de Bernini ressoa através do tempo, demonstração duradoura da capacidade humana de transcender as limitações físicas e dar forma à matéria bruta dos edifícios e à matéria metafísica da fé e das narrativas que perduram há milênios.

Continue de olho nas nossas homenagens a outras personalidades italianas, e à herança cultural italiana como um todo, aqui no blog e também em publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

Preservação dos centros históricos na Itália: o impacto dos aluguéis de curto prazo

Preservação dos centros históricos na Itália: o impacto dos aluguéis de curto prazo

A preservação dos centros históricos enfrenta novos desafios no cenário contemporâneo, com a ascensão dos aluguéis de curto prazo, amplificados por plataformas como o Airbnb. Enquanto esses serviços oferecem aos visitantes uma experiência mais autêntica, o impacto nos imóveis históricos é motivo de crescente preocupação.

A principal questão reside na transformação dos lares históricos em acomodações turísticas, muitas vezes gerando aumento nos preços dos aluguéis e alterando a dinâmica social. A demanda por acomodações temporárias impulsiona a conversão de residências locais em opções de hospedagem, ameaçando a integridade arquitetônica e cultural dos centros históricos.

Imagem de Firenze

Grande oferta de aluguéis de curto prazo

Muitas cidades ao redor do mundo vêem no Airbnb e em serviços similares uma razão para explicar o fenômeno de esvaziamento populacional dos centros históricos, cada vez mais tomados por uma variação constante de pessoas, o que altera drasticamente as rotinas internas dos prédios. E o principal problema é que, com uma oferta irrestrita de imóveis para aluguéis breves, os proprietários conseguem um lucro maior e desejam cada vez menos fechar contratos de longa duração. Por consequência, os aluguéis de longa duração também ficam mais caros e as pessoas acabam se afastando em busca de regiões com valores mais acessíveis.

Ruas de Firenze cheias por conta de aluguéis de curto prazo

Para enfrentar esse desafio, algumas cidades estão implementando regulamentações mais rigorosas. Firenze (Florença), por exemplo, nada menos do que o berço do Renascimento, encontra-se no epicentro da batalha entre o turismo moderno e a preservação de seu patrimônio histórico. Recentemente, em junho de 2023, a prefeitura de Florença, através do prefeito Dario Nardella, anunciou que iria proibir a utilização de imóveis residências do centro histórico da cidade para aluguéis breves de serviços como o Airbnb, buscando proteger sua rica herança cultural e também o acesso a aluguéis de longa duração.

Dario Nardella
Dario Nardella, prefeito de Firenze

A missão é incentivar à recolocação de moradias fixas no centro histórico, que, com o passar do tempo, tem sofrido com um “êxodo” de moradores – uma saída que, agora, segundo o prefeito, poderá ser revertida com o fornecimento de incentivos fiscais para proprietários que queiram voltar atrás.

O prefeito Dario Nardella falou sobre a proibição:

“Questa iniziativa non è una panacea ma è un passo concreto […] proviamo a fare breccia in questa situazione di inerzia nel Paese. L’articolo 9 stabilisce che la Repubblica deve tutelare il patrimonio storico e artistico della Nazione. E i centri storici non lo sono? L’unica cosa che non vogliamo permetterci è stare a guardare. Non ci hanno votato per questo.”

E essa é uma medida que está em uníssono com um projeto nacional, em que o governo italiano prometeu implementar um pacote de ações de coibição de aluguéis breves.

Duomo di Firenze

Tudo isso visa equilibrar as necessidades dos turistas com a preservação das comunidades locais, assegurando que os centros históricos continuem sendo locais habitáveis e autênticos.

Ao proteger seus edifícios centenários, Florença pretende preservar não apenas uma paisagem urbana única, mas também a qualidade de vida de seus residentes. Essa ação, apesar de controversa, destaca a importância de abordagens proativas para proteger o legado cultural enquanto enfrenta os desafios do turismo moderno.

Assim, cada vez mais, promover um turismo mais sustentável e consciente torna-se uma prioridade. Incentivar a diversificação de opções de hospedagem, como hotéis ou pousadas gerenciadas localmente, pode reduzir a pressão sobre os imóveis históricos. E a organização de parcerias entre governos locais, com projetos nacionais, é essencial para desenvolver políticas que conciliem o turismo com a preservação do patrimônio.

Essa preservação dos centros históricos requer uma abordagem equilibrada, considerando tanto as necessidades dos turistas quanto a proteção dos valores culturais e arquitetônicos. A busca por soluções inovadoras e sustentáveis é vital para garantir que essas áreas preciosas continuem a ser pontos de encontro seguros e acessíveis, beneficiando tanto os habitantes locais quanto os visitantes.

Florença pode mais uma vez, tal como no Renascimento, servir como exemplo eloquente de como as cidades históricas devem avançar em direção a um novo tempo, com um equilíbrio sustentável entre valores locais, turismo e preservação histórica.

Agora clique aqui e aproveite para acompanhar o Prof. Darius pelas ruas de Firenze, conhecendo os caminhos únicos que essa cidade oferece aos turistas e aos moradores:

Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural italiana aqui no blog e também em publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

O incrível concreto que se repara sozinho e mantém o Coliseu de pé

O incrível concreto que se repara sozinho e mantém o Coliseu de pé

O Coliseu guardou há milênios um segredo que parece saído de um filme de ficção. E é uma informação que ajuda a explicar a durabilidade impressionante de grande parte dos edifícios romanos, que se mantêm de pé há milênios. O cimento usado para construir o antigo anfiteatro romano é simplesmente mágico: além de ser mais durável do que os tipos usados hoje em dia, ele é também capaz de se autorreparar! Isso acontece devido a um ingrediente especial, que veremos ao longo deste artigo.

Retrato do interior do Coliseu
Interior do Coliseu – Christoffer Wilhelm Eckersberg (1815)

Concreto usado na construção

Podemos imaginar que não foi nada simples sobreviver a terremotos e aos milênios de variadas ocupações e utilizações diferentes do espaço interno. A construção do Coliseu, em sua estrutura principal, se mantém firme e, o que é impressionante, mais resistente e forte. Estudiosos afirmam que quando uma nova rachadura surge nas juntas de concreto, em menos de duas semanas é possível reencontrar a mesma fenda fechada, e isso acontece sem nenhuma intervenção humana. O concreto que foi utilizado pelos romanos, quando exposto ao ar, se repara sozinho.

Apesar de estudos sobre o concreto romano serem feitos desde a década de 1960, o segredo por trás dessa capacidade misteriosa só foi recentemente descoberto.

Coliseu de Roma iluminado

Cimento romano

No início de janeiro, universidades da Itália, da Suíça e dos Estados Unidos publicaram um estudo científico sobre o cimento romano. Por muito tempo, pensou-se que a durabilidade desse cimento seria por causa do uso da “pozolana”, uma rocha vulcânica encontrada perto da pequena cidade de Pozzuoli, nas encostas do Monte Vesúvio, perto de Nápoles. Mas agora isso mudou.

Não podemos subestimar o conhecimento dos antigos. Pablo Guerra, arqueólogo e professor da Universidade de Castilla-La Mancha, na Espanha, destacou a grande experiência de um renomado arquiteto romano, Vitrúvio, que escrevia em detalhes sobre o uso do hidróxido de cálcio, também conhecido como “cal apagada”, e ressaltava que a cal “deveria ser mantida hidratada por pelo menos seis meses”.

Pablo Guerra é o autor da tese de doutorado sobre os materiais de construção romanos e explica que a mistura dos elementos essenciais provocava uma reação química muito resistente e ativa, capaz de ligar e religar as estruturas do concreto que resiste até os dias de hoje em Roma.

Mas o que explica essa capacidade de se religar e se manter em auto-reparo depois de milhares de anos? O que foi descoberto apenas recentemente por diversos estudiosos é que os romanos faziam uma mistura diferente, com dois fatores determinantes: a pureza dos materiais e um ingrediente especial, o óxido de cálcio, conhecido como cal viva. Curiosamente, é uma substância conhecida por ter propriedades corrosivas. Como então era obtido o efeito contrário?

Cal viva do Coliseu de Roma
Óxido de cálcio: cal viva
Entrada do Coliseu

O segredo do efeito está também na mistura. Quando falamos em uma pureza de materiais, é porque descobriu-se que o cascalho que era utilizado para formar o cimento romano era extraído em Pozzuoli, uma localidade em que o cascalho era localizado em estado de grande pureza, e então transportado diretamente por todo o Império Romano até o campo de obras. E sobre o elemento da cal viva, ela servia como um aglutinante, uma espécie de cola, que servia para manter o cascalho unido.

Na mistura, além do hidróxido de cálcio, eles utilizavam também esse estado mais virgem da cal, a cal viva, e faziam isso sabendo que tinham que utilizar a cal recém-saída do forno, ainda queimando durante o processo de mistura. 

“A cal viva acelera o endurecimento do concreto e o torna mais resistente se adicionada durante o processo de mistura. Também permite que o material reaja bem à exposição ao ar, pois os poros do concreto se fecham ao entrar em contato com o carbono do meio ambiente”, afirma Pablo Guerra.

Cimento romano

Então é por isso que, mesmo milênios depois de ter sido construído, uma fissura no concreto se fechará em questão de dias. 

“O cimento romano é o melhor. Nenhuma civilização na história, incluindo a nossa, jamais produziu um concreto tão durável. Até este último estudo, sua durabilidade sempre foi atribuída à areia pozolana. Esta descoberta tem o potencial de revolucionar os nossos próprios métodos de construção”, afirma Carmen Martínez, doutoranda em arqueologia romana em Cartagena, sudeste de Espanha, onde trabalha há 12 anos. 

Outro especialista vai ainda além, trazendo uma explicação que impressiona pela genialidade da evolução do processo romano, que era certamente de compreensão dos arquitetos da época, uma sabedoria que, ao longo de todo esse tempo, ficou simplesmente perdida. Quem fala é Alfonso Barrón, arquiteto e especialista em materiais, apontando o incrível funcionamento desse processo:

“Além de sua propriedade auto-reparadora, a cal do concreto romano torna-se mais dura com o passar dos anos. Com o tempo, volta a ser calcário, rocha original da qual foi extraído – torna-se mais jovem e mais forte. Enquanto isso, o cimento Portland, que usamos desde o século XIX, faz o oposto – envelhece e se deteriora.”

Portanto, aos poucos, o Coliseu se tornou uma rocha, calcário original, uma parte da paisagem com uma resistência comparável às criações da própria natureza!

Detalhes da construção do Coliseu

Este é mais um registro da nossa série sobre as invenções romanas que continuam a ser descobertas e melhor entendidas, surpreendendo os pesquisadores ainda hoje em dia. Descobrimos hoje algo que demonstra como o progresso científico nem sempre segue uma linha crescente e segura ao longo da história da humanidade. Muitos conhecimentos do passado foram perdidos por não terem sido guardados e passados adiante pelas gerações que se seguiram a muitas das grandes invenções. Graças ao trabalho meticuloso de estudiosos ao redor do mundo, pudemos descobrir essa incrível sabedoria antiga, e poderemos descobrir outras.

Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural que construiu a Itália aqui no blog e confira nossas outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

Fonte das citações: Francisco Pastor para a edição americana do jornal El País https://english.elpais.com/culture/2023-02-01/the-self-repairing-concrete-that-keeps-the-colosseum-standing.html