Escolha uma Página
Diferenças entre a casa italiana e a casa brasileira  (Primeira Parte)

Diferenças entre a casa italiana e a casa brasileira (Primeira Parte)

Por: Paola Baccin

No artigo “casa dolce casa” falamos sobre como alugar uma casa na Itália. Hoje falaremos sobre as características da casa italiana. Quais as surpresas que um brasileiro pode encontrar em uma casa italiana e o que causa estranheza aos italianos que visitam as casas brasileiras. Por fim veremos dois verbos e suas conjugações completas: abitare, vivere.

Todos os aspectos da vida humana são tocados e alterados pela cultura: personalidade, linguagem, modos de pensar, de expressar sentimentos, de se mover, de solucionar problemas; a maneira de construir e de planejar cidades e sistemas de transportes, o sistema econômico e político e as soluções habitacionais. A cultura é determinada pelos valores considerados importantes ou fundamentais para uma sociedade como espaço e tempo; conceito de público e privado; importância da hierarquia; demonstração de status; manifestação de respeito; conceito de família; valor maior ou menor dado à honestidade e a esperteza como valor ou como delito, entre tanto outros.

A linguagem reflete todos esses aspectos. Desse modo, a simples tradução palavra – palavra, não é suficiente para compreender o significado que um determinado termo tem em uma cultura.

A palavra “casa” em português, corresponde a casa em italiano, essa aparente simplicidade na tradução poderia levar os falantes das duas línguas a considerar que existe uma equivalência perfeita:

O dicionário brasileiro Caldas Aulete define:

Casa 1. Construção, ger. com um ou poucos andares, com forma e tamanho diversos, destinada a habitação; (…)

2. Local onde se vive; LAR

Casas brasileiras
Casas Brasileiras

O dicionário italiano Treccani define:

Casa 1. Costruzione eretta dall’uomo per propria abitazione; più propriam., il complesso di ambienti, costruiti in muratura, legno, pannelli prefabbricati o altro materiale, e riuniti in un organismo architettonico rispondente alle esigenze particolari dei suoi abitatori (è, come abitazione, termine generico, che sostituisce talora termini più particolari, come palazzopalazzinavillavillino, ecc.)

Casas Italianas
Casas Italianas

Em italiano, não existe a palavra lar. Casa significa tanto a construção, quanto a habitação, tanto que a frase “lar doce lar”, em italiano equivale a “casa dolce casa”.

Realizei uma pesquisa com mais de 500 entrevistados entre brasileiros e italianos sobre esse tema e gostaria de compartilhar aqui e nos próximos artigos, alguns dos resultados obtidos.

Há um provérbio italiano que resume o sentimento que geralmente se tem sobre a própria casa: casa mia, casa mia, per piccina che tu sia tu mi sembri una badia [casa minha, casa minha, mesmo pequena, para mim você parece uma abadia]. 

Esse sentimento pode ser estendido para o próprio bairro, a própria cidade, o próprio país. No âmbito da percepção, não há certo ou errado, o apreço ou a rejeição são sentimentos que acabam surgindo em uma situação de contato intercultural.

Alguns participantes declaram terem consciência de que cada país encontra soluções específicas para a sua realidade:

La domanda è assurda, perchè nel mondo ci sono situazioni diversissime. ( )É uma pergunta absurda, porque no mundo há situações muito diferentes.
Come potrei descrivere la tipica casa brasiliana? Ma esiste, poi, una tipica casa brasiliana? Perché se dico tipica la devo in qualche modo distinguere da una tipica casa, mettiamo, italiana, francese, americana, giapponese… ce ne saranno alcune più ‘tipiche’ di altre? E la tipica casa di San Paolo, sarà più o meno tipica della tipica casa di Rio, o di Salvador, o dell’interno dello stato? Mà! Comunque, cerco di ritrovare il mio sguardo di venti anni fa, fresca fresca di arrivo a San Paolo, per ricordarmi quello che più mi colpì nelle case brasiliane.( )Como poderia descrever a típica casa brasileira? Mas existe uma típica casa brasileira? Porque se digo típica devo, de alguma forma, distingui-la de uma típica casa, digamos, italiana, francesa, americana, japonesa… haverá algumas mais “típicas” do que outras? E a típica casa de São Paulo, será mais ou menos típica do que a típica casa do Rio, ou de Salvador, ou do interior do Estado? Não sei! Em todo o caso, procuro reencontrar o meu olhar de vinte anos atrás, bem fresquinha, recém-chegada em São Paulo, para lembrar daquilo que mais me impressionou nas casas brasileiras.

As declarações são sempre frutos da percepção subjetiva, no entanto, algumas “impressões” se repetem, demonstrando que se trata de um aspecto compartilhado da cultura. Provavelmente, ao ler os depoimentos, você vai se reconhecer e perceber que, apesar da individualidade, há elementos em comum que permitem que se fale de “casa italiana” e “casa brasileira”.

Vejamos o que italianos responderam quando perguntados sobre a característica das casas italianas e brasileiras:

L’italiano dentro casa manifesta al mondo esterno i propri sentimenti intimi: parla, litiga, ride, piange e cucina e il vicino che passa per strada lo sa, come canta anche Francesco Guccini in Lettera: “All’una in punto si sente il suono acciottolante che fanno i piatti, le tivù sono un rombo di tuono per l’indifferenza scostante dei gatti”. ( )O italiano dentro de casa manifesta ao mundo exterior os seus próprios sentimentos íntimos: fala, briga, ri, chora e cozinha e, como já cantava Francesco Guccini, na canção Lettera, o vizinho que passa pela rua, sabe que: ‘à uma em ponto, se ouve o barulho dos pratos, as tevês são como uma trovoada para a indiferença esquiva dos gatos’.
In una casa brasiliana ci si può perdere, anche se è piccola, perché è divisa in meandri, corridoi angusti, muri, muretti, rientri che la casa italiana non conosce. ( )Em uma casa brasileira, mesmo pequena, pode-se perder, porque é dividida em meandros, corredores estreitos, muros, murinhos, reentrâncias que a casa italiana não conhece.
In Brasile: ci sono un sacco di bagni e sono minuscoli, i frigoriferi sono immensi, le cucine e i bagni sono piastrellati fino al tetto, non c’è il riscaldamento, le finestre delle case hanno le inferriate, la stanza più importante è la sala dove non manca mai il divano e la tele, a volte si ha l’impressione che la casa sia più un dormitorio che un posto in cui trascorrere piacevolmente del tempo, le case contengono pochi soprammobili e più oggetti d’utilità.( )No Brasil: há um monte de banheiros, que são minúsculos; a geladeiras são imensas; as cozinhas e os banheiros são azulejados até o teto; não tem aquecimento; as janelas das casas têm grades; o cômodo mais importante é a sala, onde tem sempre um sofá e a TV. Às vezes se tem a impressão de que a casa seja mais um dormitório do que um lugar para passar agradavelmente o tempo, as casas têm poucos enfeites e mais objetos utilitários.

Ao escolher a palavra casa, independentemente de seu contexto, tocam-se valores culturais fundamentais relativos ao espaço, ao tempo, à diferença entre público e privado, a questões relacionadas ao status e à composição familiar, a disposição e o valor dos objetos, o cuidado com os odores (cozinha e banheiro), a adaptação ao clima, entre outros.

Nos próximos artigos valaremos sobre alguns ambientes que merecem um destaque especial e sobre a limpeza das casas. Hoje, faremos um breve panorama de algumas características.

A maioria das casas italianas tem apenas uma porta de entrada que dá para um hall (em italiano, no feminino: la hall), enquanto as casas brasileiras têm duas entradas: a porta da sala e a porta da cozinha. No Brasil, as duas portas são comuns mesmo em apartamentos, algumas com acessos separados para elevadores sociais e de serviço. Na Itália, sobretudo nos apartamento, essa distinção não existe.

O hall de entrada é importante para deixar casacos, cachecóis, sapatos molhados antes de se entrar na sala, já que durante uma grande parte do ano (primavera, outono e inverno) é preciso realizar essa operação antes de sair de casa e quando se retorna.

A casa italiana é dividida em uma zona giorno que compreende a sala, a cozinha e o banheiro, e uma zona notte que compreende os quartos, ou seja, a divisão da casa é em duas partes, uma parte social e uma parte íntima.

No Brasil, a casa é dividida em área social, área de serviço e área íntima. Essa inclusão de uma parte “de serviço” que não é aberta às visitas e que, em alguns casos, é destinada apenas aos empregados, surpreende o italiano, que, mesmo pertencente à classe média alta, não tem “empregados”. Veja um dos depoimentos sobre essa divisão:

Parlando di appartamenti, la diversità che un italiano nota subito nella pianta [della casa brasiliana] è l’eterna presenza del “quarto da empregada”. Come italiana non abituata alla domestica, io lo detesto: non so cosa farmene. ( )E por falar em apartamentos, a diferença que um italiano nota já na planta, é a eterna presença do “quarto da empregada”. Como italiana não acostumada a ter uma empregada, eu o detesto: não sei o que fazer com ele.

Hoje, na Itália, muitas famílias criam “la camera della badante”, o quarto para a cuidadora de idosos. A presença de um elevador de “serviço” e uma “porta de serviço”, porém, não é comum na Itália.

A área de serviço é um espaço fundamental na casa brasileira, praticamente inexistente nas casas italianas. Muitos brasileiros não conseguem compreender onde lavar e estender a roupa, já que não há um tanque, e a máquina de lavar fica na cozinha ou no banheiro.

Bagno e “banheiro” também seriam duas palavras que aparentemente poderiam ser equivalentes perfeitos. No entanto, é exatamente essa “falsa equivalência” que pode causar no turista brasileiro um desconforto ou até mesmo uma rejeição da cultura italiana.

O banheiro tem funções e “status” diferentes nas duas culturas. Para o brasileiro é um espaço íntimo, não compartilhado, confirmado pela existência de suítes (um banheiro em cada quarto), lavabo para os hóspedes e pelo banheiro da empregada. As janelas do banheiro geralmente são pequenas, no alto para oferecer a máxima privacidade.

Na Itália, o banheiro é um espaço compartilhado para a higiene, ou seja, em locais públicos encontramos muito frequentemente banheiros unissex. A família e os hospedes usam o mesmo banheiro. Até há alguns anos, havia hotéis com banheiro compartilhado por mais de um quarto: havia camere con e senza banho.

Muitos banheiros ainda têm a vasca da bagno [banheira] e para tomar banho é preciso ficar em pé dentro da banheira e lavar-se com a ducha, e o bidê faz parte da higiene íntima diária das famílias italianas. No banheiro pode haver janelas grandes, que permitem ver e ser visto, a privacidade é obtida pelas cortinas.

Banheira italiana
la vasca da bagno

A maioria das casas, sobretudo os apartamentos, não têm lavanderia, a máquina de lavar fica no banheiro, roupas delicadas são lavadas à mão em uma bacia. Para a limpeza do chão, a água suja é jogada no vaso sanitário e enche-se o balde com água limpa na torneira da pia ou da banheira.

Nos dias quentes as roupas podem ser estendidas no terraço (terrazzi e balconi) ou pendurada para fora da janela. Nos dias frios, pode ser estendida dentro de casa, mas muitas famílias optam por comprar uma secadora.

Varal italiano
lo stendino

VERBOS

Deixamos a conjugação de dois verbos relativos à casa: “morar e viver”. O primeiro é regular, pede o auxiliar avere, o segundo tem a forma do particípio irregular “vissuto” e aceita tanto o auxiliar essere quanto o auxiliar avere:

Sono brasiliano, ma vivo (abito) da tanti anni in Italia.

[Sou brasileiro, mas vivo (moro) na Itália há muitos anos.]

Ho abitato (sono vissuto) in Italia per due anni.

[Morei (vivi) na Itália por dois anos.]

Ho vissuto una bell’esperienza.

[vivi uma bela experiência.]

A Accademia della Crusca explica que tradicionalmente o verbo vivere no sentindo de morar deveria ser conjugado com o verbo essere, se o verbo viver tem um complemento (vivi uma bela vida), então deveríamos usar o auxiliar avere. Hoje, aceita-se o auxiliar avere em ambos os casos.

Modo infinito (Presente): ABITARE(Passato): Avere abitato
Modo indicativo
PresentePassato prossimoFuturo sempliceFuturo anteriore
(io) abito (tu) abiti (lui/lei) abita (noi) abitiamo (voi) abitate (loro) abitanoHo abitato Hai abitato Ha abitato Abbiamo abitato Avete abitato Hanno abitatoAbiterò Abiterai Abiterà Abiteremo Abiterete AbiterannoAvrò abitato Avrai abitato Avrà abitato Avremo abitato Avrete abitato Avranno abitato
ImperfettoTrapassato prossimoPassato remotoTrapassato remoto
Abitavo Abitavi Abitava Abitavamo Abitavate AbitavanoAvevo abitato Avevi abitato Aveva abitato Avevamo abitato Avevate abitato Avevano abitatoAbitai Abitasti Abitò Abitammo Abitaste AbitaronoEbbi abitato Avesti abitato Ebbe abitato Avemmo abitato Aveste abitato Ebbero abitato
Modo condizionaleModo imperativo
PresentePassatoAffermativoNegativo
Abiterei Abiteresti Abiterebbe Abiteremmo Abitereste AbiterebberoAvrei abitato Avresti abitato Avrebbe abitato Avremmo abitato Avreste abitato Avrebbero abitato— Abita (tu) Abiti (Lei) Abitiamo (noi) Abitate (voi) Abitino (loro)— Non abitare (tu) Non abiti (Lei) Non abitiamo (noi) Non abitate (voi) Non abitino (loro)
Modo congiuntivo
PresentePassatoImperfettoTrapassato
Che io abiti Che tu abiti Che lui abiti Che noi abitiamo Che voi abitiate Che loro abitinoChe io abbia abitato Che tu abbia abitato Che lui abbia abitato Che noi abbiamo abitato Che voi abbiate abitato Che loro abbiano abitatoChe io abitassi Che tu abitassi Che lui abitasse Che noi abitassimo Che voi abitaste Che loro abitasseroChe io avessi abitato Che tu avessi abitato Che lui avesse abitato Che noi avessimo abitato Che voi aveste abitato Che loro avessero abitato
Modo gerundioModo participio
PresentePassatoPresentePassato
AbitandoAvendo abitatoAbitanteAbitato
Modo infinito (Presente): VIVERE(Passato): Avere vissuto
Modo indicativo
PresentePassato prossimoFuturo sempliceFuturo anteriore
(io) vivo (tu) vivi (lui/lei) vive (noi) viviamo (voi) vivete (loro) vivonoHo vissuto Hai vissuto Ha vissuto Abbiamo vissuto Avete vissuto Hanno vissutoVivrò Vivrai Vivrà Vivremo Vivrete VivrannoAvrò vissuto Avrai vissuto Avrà vissuto Avremo vissuto Avrete vissuto Avranno vissuto
ImperfettoTrapassato prossimoPassato remotoTrapassato remoto
Vivevo Vivevi Viveva Vivevamo Vivevate VivevanoAvevo vissuto Avevi vissuto Aveva vissuto Avevamo vissuto Avevate vissuto Avevano vissutoVissi Vivesti Visse Vivemmo Viveste VisseroEbbi vissuto Avesti vissuto Ebbe vissuto Avemmo vissuto Aveste vissuto Ebbero vissuto
Modo condizionaleModo imperativo
PresentePassatoAffermativoNegativo
Vivrei Vivresti Vivrebbe Vivremmo Vivreste VivrebberoAvrei vissuto Avresti vissuto Avrebbe vissuto Avremmo vissuto Avreste vissuto Avrebbero vissuto— Vivi (tu) Viva (Lei) Viviamo (noi) Vivete (voi) Vivano (loro)— Non vivere (tu) Non viva (Lei) Non viviamo (noi) Non vivete (voi) Non vivano (loro)
Modo congiuntivo
PresentePassatoImperfettoTrapassato
Che io viva Che tu viva Che lui viva Che noi viviamo Che voi viviate Che loro vivanoChe io abbia vissuto Che tu abbia vissuto Che lui abbia vissuto Che noi abbiamo vissuto Che voi abbiate vissuto Che loro abbiano vissutoChe io vivessi Che tu vivessi Che lui vivesse Che noi vivessimo Che voi viveste Che loro vivesseroChe io avessi vissuto Che tu avessi vissuto Che lui avesse vissuto Che noi avessimo vissuto Che voi aveste vissuto Che loro avessero vissuto
Modo gerundioModo participio
PresentePassatoPresentePassato
VivendoAvendo vissutoViventeVissuto
Sobre a autora: Paola Baccin é docente nos cursos de graduação e pós-graduação em língua e literatura italiana da Universidade de São Paulo.
Partícula “NE”

Partícula “NE”


Preciso mesmo usá-la em italiano?

Particula ne em italiano
“Recenti studi confermano che i gatti sono in grado di comprenderci, ma non gliene frega niente”

Muitas vezes parece que entre uma língua e outra mudam apenas as palavras. Por isso, temos a sensação de que traduzir seja uma boa estratégia de aprendizagem e, muitas vezes, justificamos a nossa dificuldade de falar apenas pela falta de vocabulário.

As palavras são os tijolos da língua. Além dos elementos gramaticais, que são o cimento para uni-las, precisamos calcular como combinar esses componentes com tantos outros para ter uma construção completa que sustente o queremos dizer.

Português e italiano vieram do latim, mas cada língua construiu um percurso próprio. Pense na diferença entre o português brasileiro atual e o português europeu. O que houve com a nossa língua nesses quinhentos anos? Como um filho que percorre seu próprio caminho, as línguas também evoluem e se tornam diferentes de suas irmãs.

Um aluno brasileiro “aceita” que possam existir diferenças entre a sua língua e o chinês, o japonês, o russo, o árabe, mas, de forma inconsciente, “questiona” as diferenças estruturais entre o português e o italiano.

Hoje falaremos de uma particella pronominale que “assombra” o aluno brasileiro: o ne. O problema que se coloca não é compreender quando ou como deve ser usada, uma vez que o seu emprego segue uma lógica bastante clara. O nosso cérebro, porém, não consegue entender porque devemos usá-la, já que em português “passamos muito bem” sem ela.

Será que no nosso idioma também não temos elementos que podem parecer “inúteis” aos falantes de outras línguas? Para alguns deve ser difícil entender porque dizemos “eu vou, você vai, nós vamos” se poderíamos dizer apenas “eu ir, você ir, nós ir”. Veja que a compreensão é possível, e a construção seria muito mais simples!

Os verbos em italiano têm algumas regras que os verbos no português brasileiro não precisam seguir. Por exemplo, os elementos que completam o sentido de um verbo precisam estar sempre explícitos. Em português isso não é necessário, basta o contexto. Veja:

Português brasileiro Italiano
Você leu o jornal? Li. (Eu o li). Hai letto il giornale? Sì, l’ho letto. (Sì, ho letto.)

Quem lê, pode ler alguma coisa, ou seja, o verbo ler aceita um complemento para fazer sentido e esse complemento não pode ser omitido em italiano. Por isso precisamos usar sempre um pronome junto a esses verbos quando o complemento não for explícito.

NE = di qualcosa, di qualcuno

O ne também substitui elementos para que o verbo não fique “sozinho”. E quais seriam eles?

O primeiro é  di qualcosa [de alguma coisa] ou di qualcuno [de alguém], ou seja, um complemento introduzido pela preposição di.

O falante brasileiro também sente, muitas vezes, a necessidade de completar o sentido do verbo e “traduz” di qualcosa por “di questo”. Em italiano essa construção não é comum, em seu lugar emprega-se o ne:

È stato un vero amico, non me ne dimenticherò mai.

[Ele foi um verdadeiro amigo, nunca me esquecerei (disso).]

Uma dica: evite traduzir literalmente do português:

non mi dimenticherò mai di questo.

Ne substitui “che è stato un vero amico. A frase completa poderia ser:

Non mi dimenticherò mai che è stato un vero amico.

Ou seja: Non mi dimenticherò mai di questa cosa.

Como saber se é preciso usar o ne?O elemento que indica que devo usá-lo é o verbo dimenticarsi, porque chi si dimentica, si dimentica di qualcosa ou di qualcuno. [quem se esquece, se esquece de alguma coisa ou de alguém].

Vejamos mais exemplos:

Com o verbo soffrire [sofrer]:

Il mal d’autunno, clinicamente definito Seasonal Affective Disorder (SAD), crea ansia e malumore e ne soffre un italiano su dieci.

[O “mal de outono”, clinicamente definido Seasonal Affective Disorder (SAD), cria ânsia e mau-humor em um a cada dez italianos sofre desse mal.]

O verbo soffrire pode ter um complemento introduzido pela preposição di:soffro di mal di testa, ne soffro da quando ero bambino [sofro de dor de cabeça, sofro desde criança]. No exemplo, ne soffre un italiano su dieci, significa que um a cada dez italiano sofre di questo male.

Com o verbo sapere [saber]:

Um mesmo verbo pode ter mais de um tipo de complemento.

Pode-se saber algo – sapere qualcosa:

Augusto: Sai che Alessandro ha cambiato lavoro?

Cristina: Sì, lo so. (So questa cosa).

Filippo: Io invece non lo sapevo. (Non sapevo questa cosa.)

[Augusto: Você sabe que o Alessandro mudou de emprego?

Cristina: Sim, eu sei.

Filippo: Eu não sabia.]

Pode-se também saber algo sobre – sapere qualcosa di:

Augusto: Alessandro ha cambiato lavoro. Ne sai qualcosa?

Cristina: Non ne so niente. (Non so niente di questa cosa.)

[Augusto: Alessandro mudou de emprego. Você sabe de alguma coisa? Cristina: Eu não sei de nada.]

Se o contexto está claro, o falante do português brasileiro não sente a necessidade de explicitar o elemento que complementa o verbo. Essa diferença fundamental entre as duas línguas exige muita atenção no momento da comunicação, para nunca deixar um verbo transitivo sem o seu complemento explícito ou na forma de pronome.

Como vimos pelos exemplos acima, o emprego de ne pode depender do verbo. Vejamos o que acontece com os verbos dire, pensare e parlare.

Com o verbo dire [dizer]:

E allora, che ne dici? Andiamo o no al concerto?

[E, então, o que você acha? Vamos ou não ao show?]

Te lo dico più tardi.

[Falo para você mais tarde.]

No primeiro exemplo pergunta-se a opinião sobre alguma coisa, mais uma vez, ne substitui di questa cosa.

           A segunda frase completa seria: Ti dico quello che penso al riguardo più tardi. Observe que aqui não há a preposição di, por isso não usamos o ne. Lo substitui “quello che dico”. Percebemos, então, que um mesmo verbo pode ter vários tipos de complementos.

Com o verbo pensare [pensar]:

O verbo pensare também aceita mais de um complemento.

O complemento pode ser introduzido pela preposição a:

Penso a quello che mi ha detto. Ci penso sempre.

[Penso naquilo que ele me disse. Penso sempre naquilo.]

Penso a te. Ti penso.

[Penso em você.]

Ou pode ser introduzido pela preposição di e, nesse caso, pode ser substituído por ne:

Che ne pensi? Coraggio! Esprimi la tua opinione.

[O que você acha (disso)? Coragem! Diga a sua opinião.]

Com o verbo parlare [falar]:

O verbo parlare pode ter vários complementos e, a cada um, corresponderá um pronome:

Parlare una lingua [falar uma língua]

Parli l’italiano? Sì, lo parlo. Você fala italiano? Sim, falo.

Parlare con qualcuno [falar com alguém]

D’accordo, ci parlo io. Está bem, eu falo com ele.

Parlare a qualcuno [falar para alguém]

Io gli parlo, ma lui non mi risponde. Eu falo com ele, mas ele não responde.

Pode-se também falar de alguma coisa. E eis aí, de volta, o nosso di qualcosa que pode ser substituído pelo ne:

Parlare di qualcosa

Adesso non ho tempo, ne parliamo più tardi. Agora não tenho tempo, falamos sobre isso mais tarde.

Por fim, pode-se falar de algo a alguém:

Parlare di qualcosa a qualcuno

Lui non mi sopporta, parlagliene tu. Ele não me suporta, fale você (sobre isso) com ele.

A regra é bastante simples: quando precisamos substituir um complemento com a preposição di devemos usar o ne: di ciò, di questo, di quello, di questa cosa, di questo argomento:

Non ne vedo la necessità.

[Não vejo a necessidade disso.]

Che cosa vuoi che ne faccia?

[O que você quer que eu faça com isso!]

NE = da quel luogo, da quella situazione, da quella cosa

Em alguns casos ne pode substituir também elementos introduzidos pela preposição da: da quel luogo, da quella situazione, da quella cosa [daquele lugar, daquela situação, daquela coisa]:

È arrivato a Roma il mercoledì e ne è ripartito dopo due giorni.

[Chegou em Roma na quarta-feira e partiu (dali) no dia seguinte.]

ne = da Roma (da quel luogo).

È una situazione difficile, ma sono sicuro che ne uscirai a testa alta.

[É uma situação difícil, mas tenho certeza de que você vai sair dela de cabeça erguida.]

ne = da quella situazione.

Ho letto il racconto e ne sono rimasta colpita.

[Li o conto e fiquei impressionada.]

ne = dal racconto (da quella cosa).

NE em verbos reflexivos

A particella ne pode compor alguns verbos reflexivos que são conjugados normalmente e têm um significado autônomo.

Fregarsene [importar-se com alguma coisa]

Recenti studi confermano che i gatti sono in grado di comprenderci, ma non gliene frega niente. Estudos recentes confirmam que os gatos conseguem nos entender, mas eles não estão nem aí (para isso).

Andarsene [ir embora, partir]

Basta, non ne posso più, me ne vado. Chega, não aguento mais, vou embora.

Dimenticarsene [esquecer-se de algo]

Grazie di quello che hai fatto per me, non me ne dimenticherò mai.   Obrigada pelo que você fez por mim, eu nunca vou esquecer.

Approfittarsene [aproveitar-se  de algo ou de alguém]

È troppo buono e la gente se ne approfitta. Ele é muito bom e as pessoas se aproveitam dele.

Rendersene conto e accorgersene [perceber, notar]

Una faccia tosta come lui non se ne renderà mai conto. Que nada, um cara-de-pau como ele não consegue perceber.

Farsene [fazer algo com alguma coisa]

Mi hanno regalato un pappagallo e ora non so che farmene. Recebi um papagaio de presente e agora não sei o que fazer com ele.

Ne e as quantidades

Ne pode indicar uma quantidade, uma parte de um todo que pode ir de nessuno(a) [nenhum] a molti(e), tanti(e) [muitos, tantos] e similares, ou a um numeral qualquer.

Para a pergunta “quantos cigarros você fuma por dia?” são possíveis todas as respostas abaixo:

Quante sigarette fumi al giorno?

Non ne fumo nessuna, il fumo, non lo sopporto.

[Não fumo nenhuma, não suporto os cigarros.]

Ne fumo una dopo cena.

[Fumo uma, depois do jantar.]

Ne fumo due: una dopo pranzo e un’altra dopo cena.

[Fumo duas: uma depois do almoço e outra depois do jantar.]

Ne fumo molte. Ne fumo tante. Ne fumo parecchie.

[Fumo muitas.]

Atenção:

Compro un pacchetto e le fumo tutte. (totalidade)

[Compro um maço e fumo todas.]

Para indicar o todo (tutto, tutta, tutti ou tutte) não se emprega ne, mas la, lo, li ou le. Ne indica sempre uma parte, por isso é chamado também de partitivo.

Particella ne e o verbo esserci

Com o verbo esserci [há, existe], que é conjugado apenas na terceira pessoa do singular e do plural, o ne é inserido entre ci e o verbo essere e é apostrofado antes da letra e:

C’è un cinema.                  Ce n’è uno.

Ci sono molte chiese.         Ce ne sono molte.

C’era tanta gente.               Ce n’era tanta.

C’erano parecchie persone.  Ce n’erano parecchie.

A esse ponto você deve concordar que compreender a lógica por trás do uso do ne não é difícil. É preciso, porém, convencer  a nossa mente, que pensa em português, a usá-lo na comunicação. Como fazer isso? Bem, cada um tem a sua estratégia de aprendizagem: observar o emprego do ne nos filmes, jornais, livros; pedir para que o professor corrija explicitamente a falta do ne e fazendo exercícios.

Textos e foto: Paola Baccin

Desenhos: Airam Ribeiro

Preparamos uma atividade que você pode encontrar em:

Link web: https://learningapps.org/display?v=po92vpq4a19

Link a pieno schermo: https://learningapps.org/watch?v=po92vpq4a19

Viver e compreender o presente!

Viver e compreender o presente!

Não, esse não é um artigo de autoajuda, mas uma reflexão sobre a diferença entre o uso do presente em italiano e em português. ?

Quando um aluno me pergunta, “prof. come si dice in italiano ‘eu costumo comer arroz e feijão’?” a resposta que me vem, automaticamente é “ho l’abitudine di mangiare riso e fagioli”.

Quando não refletimos, temos a tendência de traduzir de maneira bastante literal de uma língua para outra. Muitas vezes achamos que, por serem línguas parecidas, é possível a total equivalência entre as duas línguas, sobretudo quando consideramos os verbos nos tempos mais simples e frequentes como o presente, por exemplo. Porém, depois de uma breve análise, percebemos que, tanto em português, quanto em italiano, há mais de uma maneira de expressar a mesma mensagem:

presente em portuges e italiano

Cabe perguntar, então, qual seria a forma mais frequente em cada língua. Talvez, pudéssemos supor que em português usamos mais “costumo fazer alguma coisa”, enquanto em italiano usa-se mais o verbo no presente. Faço essas afirmações com muito cuidado, porque não foi realizada uma pesquisa linguística sobre a frequência de um ou de outro nas duas línguas, mas como falantes nativos, temos essa “linguística interna” que, mesmo sem  comprovação científica, nos faz escolher uma forma em detrimento de outra.

Acreditar que existe uma equivalência total ocorre, principalmente, quando as construções em italiano não nos causam estranheza. Vejam os exemplos abaixo. Em italiano podemos usar o presente em todas essas frases. Em português, no entanto, usamos vários tempos verbais para expressar essas ações.

– Ciao, Carlo. Che fai di solito durante la giornata?

– La mattina studio e il pomeriggio dormo.

– E adesso che fai?

Studio.

– E domani che fai?

– Domani mattina lavoro e il pomeriggio vado in palestra.

Ações frequentes

Em português usamos o presente para indicar ações que fazemos normalmente: eu estudo italiano na Itálica; eu como macarrão com frango; eu durmo cedo. Podemos também completar o sentido das frases empregando expressões que indiquem a frequência que realizamos essas ações ou usar a expressão “costumo + verbo” (eu costumo comer macarrão com frango eu costumo dormir cedo.

Em italiano também se usa o presente nesses casos, portanto, o emprego se equivale nas duas línguas:

Eu estudo italiano há 2 anos.Studio l’italiano da due anni.
Aos domingos eu estudo sempre italiano. Aos domingos eu costumo estudar italiano.La domenica studio sempre l’italiano.
Às vezes como macarrão com frango às quintas-feiras.A volte mangio pasta con pollo il giovedì.
Eu como macarrão com frango desde criança. Eu costumo comer macarrão com frango desde criança.Mangio pasta e pollo da quando ero bambino.
Os italianos nunca comem macarrão com frango no mesmo prato. Os italianos não costumam comer macarrão com frango no mesmo prato.Gli italiani non mangiano mai pasta e pollo nello stesso piatto.
Geralmente durmo cedo. Eu costumo dormir cedo.Di solito vado a letto presto.

Ações no presente

Em italiano o presente também é usado para relatar o que se está fazendo no momento em que se fala. E aqui temos uma diferença entre as duas línguas, porque em português usamos o verbo estar + gerúndio:

Dois amigos se encontram por acaso no hospital:

Antonio:Oi. O que você está fazendo aqui?Ciao. Che fai qui?
Filippo:Estou visitando o meu pai que está internado.Sono venuto a trovare mio padre che è ricoverato.
E você, o que está fazendo aqui?E tu cosa fai qui?
Antonio:Estou fazendo alguns exames.Faccio (sono venuto a fare delle anali) delle analisi.

Em italiano também podemos usar o verbo stare + gerundio, mas essa construção é empregada, sobretudo, quando se quer enfatizar que as ações, de fato, estão ocorrendo naquele instante e, mesmo nesses contextos, pode ser substituída pelo presente.

Luigi liga para o Mario:

Mario:Pronto.Alô.
Luigi:  Pronto. Ciao, Mario, sono Luigi. Che fai?Alô. Oi, Mario, sou o Luigi. O que você está fazendo?
Che stai facendo?
Mario:  Niente,
guardo la partita in televisione, mentre mia moglie studia per l’esame.
Nada de mais,
estou assistindo televisão,
enquanto minha mulher está estudando para a prova.
Sto guardando la partita in televisione, mentre mia moglie sta studiando.

Quando quiser expressar uma ação que está acontecendo no momento em que se fala, opte pelo presente:

Estou no trem e estou aproveitando para fazer os exercícios de italiano.

Sono in treno e approfitto per fare i compiti di italiano.

Ações no futuro

Em italiano os verbos no presente podem indicar, também, ações futuras, no lugar dos verbos no futuro.

Veja o exemplo a seguir:

Pierino e Valentina estão brincando no quintal e a mãe os chama:

Mamma:Pierino, vieni, la cena è pronta.Pierino, vem, o jantar está pronto.
Pierino:Arrivo subito.Estou indo.
Valentina:Metto via i giocattoli e poi vengo.Vou guardar os brinquedos e já vou.

A frase arrivo subito pode indicar que Pierino já está a caminho (presente) ou que daqui a pouco chegará (futuro), mas Valentina ainda vai começar a guardar os brinquedos, portanto o verbo metto via, apesar de estar no presente, indica uma ação futura.

Você deve ter notado que não podemos traduzir ao pé da letra “estou indo” do português para o italiano (sto andando). Arrivo, por sua vez, pode significar “estou chegando” ou “estou indo”:

Allegra e sua amiga Giada marcaram de se encontrar, Allegra não é muito pontual e mais uma vez não chegou no horário. Giada liga para ela:

Giada: È da un’ora che ti aspetto. Dove sei?

Allegra: Scusa, ancora due minuti e arrivo.

Em português para designar o futuro podemos usar o presente (chego amanhã); o verbo estar + gerúndio (estou chegando amanhã); ou o verbo ir + infinitivo (vou chegar amanhã), além do futuro (chegarei amanhã), naturalmente.

Verbos no presente ou futuroVerbo no presenteEstar + gerundioIr + infinitivo
Fra due anni vado (andrò) in Italia.Daqui a dois anos vou para a Itália.Daqui a dois anos estou indo para a Itália.Daqui a dois anos vou viajar para a Itália.
Prendo (prenderò) le vacanze.Amanhã eu saio de férias.Estou saindo de férias amanhã.Vou sair de férias amanhã.

Observe que em português nem sempre podemos escolher entre todas essas construções.

Verbos no presente ou futuroVerbo no presenteEstar + gerundioIr + infinitivo
Domenica vado al mare.Vou à praia domingo.Estou indo para a  praia no domingo.
Che fai (farai) di bello domani?O que você vai fazer amanhã?
Domani mattina lavoro e il pomeriggio resto a casa e studio.Amanhã de manhã eu trabalhoAmanhã de manhã eu vou trabalhar.
e à tarde vou ficar em casa e estudar.

Em italiano também é possível usar a construção andare + a + infinitivo. Ao escolher essa construção para designar o futuro é preciso observar algumas coisas:

Primeiramente, o verbo andare  é seguido da preposição a:

Vai a farti la doccia,

Andiamo a lavorare.

Andate a preparare la colazione.

Em segundo lugar, essa construção indica que a pessoa que está falando vai executar essa ação imediatamente, ou seja, o conceito de adesso [agora] está implícito.

Adesso vado a mangiare, non posso rispondere al telefono.

Em português usaríamos o verbo ir no gerúndio (estou indo) ou no presente (vou):

Agora, estou indo (vou) almoçar, não posso responder ao telefone.

Per farla breve:

            Em italiano há muito mais casos de emprego dos verbos no presente do que em português, que dá preferência a formas compostas o verbo.

            Em italiano o presente designa ações frequentes, relata o que estamos fazendo enquanto estamos falando e pode ser usado para falar sobre planos futuros.

Veja o exemplo a baixo e os equivalentes em português:

Di solito gli italiani fanno una colazione veloce.

Anche Federico di solito mangia poco la mattina.                               

Ma oggi Federico è a Salvador di Bahia in ferie e fa la colazione con calma.

Domani va a Fortaleza e assaggerà anche la tapioca a colazione.

Geralmente os italianos costumam tomar um café da manhã rápido.

Federico também costuma comer pouco de manhã.

Mas hoje, Federico está de férias em Salvador, na Bahia e está tomando café da manhã com calma.

Amanhã vai a Fortaleza e vai provar também a tapioca no café da manhã.