Escolha uma Página
O Dia das Mulheres na Itália: tradições e progresso

O Dia das Mulheres na Itália: tradições e progresso

O Dia Internacional da Mulher é uma ocasião significativa em todo o mundo, celebrando a luta por direitos e igualdade de gênero. Na Itália e no mundo, esse dia pode ser cada vez mais marcado por uma combinação de tradições e de progresso, se destacarmos a importância das mulheres na sociedade italiana e global.

Historicamente, a Itália tem sido uma nação com raízes profundas em tradições familiares e culturais. No entanto, ao longo das décadas, as mulheres italianas têm desempenhado um papel fundamental na mudança social e política. O Dia Internacional da Mulher é uma oportunidade de honrar suas contribuições e refletir sobre os desafios que ainda enfrentam.

Mimosa: a flor do Dia da Mulher na Itália

Uma tradição comum, na Itália e por todo o mundo, é a oferta de mimos e flores. Na Itália, em especial as flores de mimosa se tornaram um símbolo da celebração, mas há muita história por trás de algo que poderia parecer apenas esteticamente belo.

Flor do dia da mulher Itália

Explicamos: a mimosa é inclusive conhecida como a flor do Dia da Mulher na Itália, e esse símbolo existe desde um período de pós-guerra, quando a flor foi usada por mulheres, como Rita Montagnana, Teresa Mattei e Teresa Noce, para consolidarem o símbolo de sua luta contra o fascismo. Foi nesse período, inclusive, em 1945, que foi criada a Unione Donne Italiane, uma associação que se constitui com objetivos claros: inscrever os direitos das mulheres na Carta Constitucional.  Hoje, portanto, toda uma história de luta e de conquistas está em ação quando as mulheres recebem buquês de mimosa como um gesto de carinho e reconhecimento por seu papel na sociedade e na família. No entanto, as comemorações não devem se limitar a gestos simbólicos desse tipo. O reconhecimento verdadeiro é também feito de consciência sobre os valores que nos conduzem a novas ações no cotidiano.

Dia de Conscientização

Muitas atividades e eventos são realizados em todo o país para discutir questões relacionadas aos direitos das mulheres e igualdade de gênero. Uma parte fundamental do Dia das Mulheres na Itália é a conscientização sobre a história e sobre as realizações que se tornam possíveis quando o gênero não é visto como uma característica limitante. Temas como igualdade salarial, violência de gênero e representação política das mulheres são assuntos cada vez mais presentes em todos os dias, não apenas no dia das mulheres. Esses esforços buscam promover uma mudança cultural e social positiva, dando voz às questões que afetam as mulheres italianas.

Flor do dia da mulher Itália

A Itália tem feito avanços notáveis em direção à igualdade de gênero. As mulheres ocupam posições de destaque em diferentes setores, incluindo a política. No entanto, há desafios persistentes, tanto na Itália como ao redor do mundo. É o caso da disparidade salarial de gênero e a luta contra a violência doméstica, que ainda estão muito presentes e requerem atenção contínua.

Reconhecimento

Um aspecto notável do Dia das Mulheres na Itália, e que queremos trazer para consolidar nossa celebração aqui na ITALICA, é o reconhecimento de conquistas femininas históricas. Mulheres italianas notáveis, como Rita Levi-Montalcini, vencedora do Prêmio Nobel, e Eleonora Duse, renomada atriz, são lembradas e homenageadas hoje e sempre.

Rita Levi-Montalcini

Rita Levi-Montalcini (1909~2012) foi uma das italianas mais importantes da história da humanidade. Recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1986, por ter descoberto uma substância do corpo que estimula o crescimento de células nervosas, o que possibilitou a ampliação dos conhecimentos sobre o mal de Alzheimer e a doença de Huntington.

Ela nasceu em Turim, em 22 de abril de 1909, e foi médica neurologista. É um dos maiores orgulhos da Itália no último século e deixou contribuições para toda a humanidade. Em 30 de setembro de 2009, pelos seus estudos do sistema nervoso, recebeu o Wendell Krieg Lifetime Achievement Award, prêmio instituído pela mais antiga associação norte-americana de neurociência.

Rita Levi Montalcini
Rita Levi Montalcini

Eleonora Duse

Eleonora Duse (1858~1924), nasceu em Vigevano, na província de Pavia, na Lombardia. Chamada por alguns como “la divina del teatro”, foi uma das maiores atrizes italianas da história. Charles Chaplin, ao assisti-la, disse: “a maior atriz que já vi”. De uma família ligada ao teatro, começou cedo, e já aos 14 anos destacou-se ao interpretar Julieta. Em sua época, Eleonora Duse cumpriu o papel de uma formidável embaixadora cultural da Itália no mundo.

Lembrarmos das ações de grandes pessoas serve sempre como uma fonte de inspiração para as gerações mais jovens, mostrando-lhes que não há limites para o que podem alcançar.

É um dia para se continuar em reflexão, não apenas para se lembrar, mas para nos conscientizarmos de que celebrações só podem ser feitas devidamente se reconhecermos o valor essencial das realizações que queremos relembrar: a conquista e a luta das mulheres italianas, e de todo o mundo, é um avanço civilizatório que nos enche de orgulho!

Continue de olho nas homenagens e outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

Descubra o fabuloso bairro de Cinecittà, em Roma

Descubra o fabuloso bairro de Cinecittà, em Roma

Cinecittà é um famoso bairro localizado em Roma, conhecido por seu estúdio cinematográfico homônimo, Cinecittà Studios. Este estúdio é o maior da Europa e tem uma longa história ligada à indústria cinematográfica italiana.

O bairro foi originalmente concebido como um empreendimento para promover o cinema italiano durante o regime fascista, por isso foi fundado por Benito Mussolini em 1937. Ao longo dos anos, mesmo após a queda do regime fascista, o bairro tornou-se um importante centro de produção cinematográfica na Europa. Muitos filmes clássicos italianos foram filmados lá, incluindo La Dolce Vita (1960), de Federico Fellini, e até mesmo produções de Hollywood, como o épico Ben-Hur (1959), de William Wyler, que utilizou extensivamente esses estúdios para recriar o esplendor da Roma Antiga. 

Gravações de Ben-Hur
Gravações de Ben-Hur
Charlton Heston em Ben-Hur
Charlton Heston em Ben-Hur

A arquitetura dos estúdios de Cinecittà é única, contando com conjuntos arquitetônicos versáteis e temáticos, permitindo que diretores criem ambientes específicos para seus filmes. Isso contribuiu para a flexibilidade do estúdio em acomodar uma variedade de gêneros cinematográficos.

Desde reproduções precisas de templos antigos até bairros modernos, o estúdio oferece uma rica variedade de cenários. Curiosidades incluem o uso engenhoso de perspectivas forçadas e a habilidade de transformar um conjunto em diferentes locações, permitindo que uma única rua sirva como pano de fundo para cenários distintos em filmes diferentes.

Bastidores de Ben Hur

Para se fazer um paralelo, aqui no Brasil, conhecemos algo próximo disso: os estúdios do Projac, da Rede Globo, cuja versatilidade permitiu que muitas cenas de novelas temáticas da Itália, como Terra Nostra e Esperança, fossem gravadas com uma qualidade fidedigna sem que os atores precisassem estar o tempo todo fora do Brasil. 

Estúdios do Projac, durante a gravação de Esperança (2002)
Estúdios do Projac, durante a gravação de Esperança (2002)

O bairro

E Cinecittà também é um bairro como outro qualquer. Além de estúdio cinematográfico, esse nome se refere também a um bairro residencial em Roma. Com uma mistura de áreas residenciais e comerciais, o bairro tem uma atmosfera única e é conhecido por seus espaços verdes.

A atmosfera do bairro mantém uma ligação com sua história cinematográfica. Existem murais e elementos decorativos que celebram o mundo do cinema, dando ao bairro uma sensação única e artística.

Atrações e Cultura


O bairro é rico em atrações culturais, incluindo o Museu Cinecittà Si Mostra, que oferece uma visão fascinante dos bastidores do cinema italiano e internacional.

Templo de Jerusalém em exposição no Museu Cinecittà Si Mostra
Réplica de um Templo de Jerusalém em exposição no Museu Cinecittà Si Mostra
Cenário das ruas da Roma Antiga
Caminhe por um dos cenários das ruas da Roma Antiga!

Parque Cinecittà World

Além do estúdio e do bairro, Cinecittà também abriga um parque temático chamado Cinecittà World, que oferece atrações e entretenimento baseados no mundo do cinema, proporcionando uma experiência imersiva para os visitantes.

Mapa do Parque Cinecittà World

Você imaginava que existia tudo isso num bairro de Roma?!

Gostaria de conhecer?

Com certeza pode valer a pena, principalmente se você ama cinema! Cinecittà é um bairro multifacetado, que nos permite viajar no tempo e conhecer também a rica contribuição italiana à história do cinema internacional.

 Continue de olho nas nossas publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

A arte contemporânea italiana continua influenciando o mundo

A arte contemporânea italiana continua influenciando o mundo

O Renascimento italiano definiu padrões estéticos e técnicos que ecoaram por séculos, até os dias de hoje, e a arte contemporânea italiana desafia esses paradigmas, redefinindo constantemente as fronteiras da expressão artística. Hoje poderemos explorar um pouco desse mundo tão cheio de significados. E quando falamos de arte, neste caso, não nos limitaremos a falar apenas da arte da pintura. Veremos como a interação entre a arte contemporânea italiana e a tradição clássica do Renascimento revela um diálogo fascinante que ultrapassa as fronteiras da Itália, e também os limites do estilo e das épocas.

A arte moderna contemporânea

É interessante começarmos pensando que a ideia do termo “arte contemporânea” é absolutamente relativa. Imagine quem pôde andar pelas ruas de Firenze e avistar Michelangelo atravessando a rua. Essa pessoa que pôde viver ao mesmo tempo que os grandes pintores renascentistas não olhava para aquelas artes como artes necessariamente “clássicas” ou “renascentistas”, eram artes de seu próprio tempo, ou poderíamos dizer “artes contemporâneas“. Os mestres se tornam inquestionavelmente clássicos conforme o tempo passa e as gerações seguintes olham e revisitam as obras com o conhecimento de um outro tempo, futuro.

Albero porta cedro
“Albero porta cedro”, de Giuseppe Penone, 2012

Nesse sentido, é muito importante compreendermos que as influências de cada período só são entendidas e medidas de acordo com a durabilidade da presença de determinadas criações. Por outro lado, o mundo moderno, globalizado, apresentou uma nova possibilidade de disseminação internacional: as artes hoje viajam o mundo numa velocidade impensável no tempo do Renascimento. O que é produzido hoje na Itália já pode ser visto em qualquer parte do mundo em questão de minutos, e assim as influências e as inspirações também ganharam novo poder e mais intensidade.

Influências duradouras

A rica tradição artística da Itália não se limita aos mestres renascentistas, mas continua a prosperar no cenário contemporâneo, contribuindo de maneiras inovadoras e emocionantes para a cena global da arte. Neste contexto, exploraremos a influência da arte contemporânea italiana, destacando três artistas que desempenham papéis cruciais na moldagem dessa narrativa contemporânea.

Maurizio Cattelan

A influência do Renascimento é evidente em muitos artistas contemporâneos italianos, que, embora estejam conscientes da rica herança artística do passado, optam por subverter e reinterpretar essas tradições. 

Um dos artistas que se destacam na vanguarda da cena artística italiana é Maurizio Cattelan, nascido em 1960, em Pádua. Ele se destaca por criar esculturas e espaços, gerando uma ideia de cenário. Assim como a pintura, a arte de Maurizio Cattelan permite uma avaliação da cena e dos sentidos que se complementam quando observamos cada elemento e analisamos a maneira como eles criam uma história.

Essas criações são provocativas e muitas vezes satíricas, assim Cattelan desafia as convenções artísticas tradicionais, provocando há décadas uma reflexão crítica sobre temas sociais e religiosos, lembrando-nos da habilidade renascentista de questionar e desafiar as normas estabelecidas.

Seu trabalho transcende as fronteiras da escultura e da performance, oferecendo uma crítica afiada à sociedade contemporânea. Uma de suas obras mais emblemáticas, “La Nona Ora” (A Nona Hora), apresenta uma escultura de cera do Papa João Paulo II atingido por um meteorito; estão aí temas de poder, religião e mortalidade de maneira provocativa e única. 

La Nona Ora
“La Nona Ora,” arte que imagina o Papa João Paulo II atingido por um meteorito, é parte da exposição “Maurizio Cattelan: Be Right Back

Essa capacidade de Cattelan de criar obras que provocam reflexões profundas, enquanto desafiam as expectativas estéticas, não é a única razão de ele estar no epicentro da influência artística italiana. Outro bom exemplo de sua arte demonstra sua sensibilidade para questões do cotidiano. É uma das figuras de sua exposição chamada Breath Ghosts Blind: uma escultura em mármore Carrara que representa um homem e um cachorro, deitados um de frente para o outro. O espaço em torno não recebeu decorações, foi deixado completamente escuro, com uma única luz que ilumina as duas figuras. Podemos ver assim, por exemplo, a intimidade e a união e chegar a uma sensação de que a existência de uma é essencial para a existência da outra.

Respiração de Maurizio Cattelan
Intitulada “Respiração”, é parte da exposição “Breath Ghosts Blind”

Outro nome que destacamos é Francesco Clemente, nascido em 1952, em Nápoles. Com sua fusão única de estilos, dialoga diretamente com o ecletismo renascentista, que também combinava influências diversas. 

Sua criação artística é uma mescla ousada que reflete uma exploração da identidade, da espiritualidade e das culturas, no plural mesmo, porque Francesco Clemente desafia categorizações convencionais, fundindo elementos do Oriente e do Ocidente. Suas obras são figurativas e simbólicas e revelam uma visão singular que transcende as fronteiras culturais, destacando-se como uma expressão inovadora na cena artística global, não apenas na Itália.

Francesco Clemente
Arte contemporânea italianaFrancesco Clemente Palimpsesto
Retrato de Francesco Clemente Palimpsesto
Exposição “Francesco Clemente: Palimpsesto”

Para finalizar nossa seleção, escolhemos Giuseppe Penone, um nome de grande influência. Ao esculpir árvores para revelar camadas internas, ele evoca a ênfase renascentista na observação detalhada da natureza. Ele nasceu em Garessio, em 1947 e vive em Turim, na Itália. É um escultor de renome internacional, conhecido por suas esculturas especialmente originais: são feitas em grande escala, com árvores, e revelam muito de um pensamento crítico sobre a ligação entre o homem e o mundo natural, dialogando bastante com os movimentos que buscam chamar atenção para as consequências das mudanças climáticas.

Giuseppe Penone

Seus primeiros trabalhos são frequentemente associados ao movimento “Arte povera”, que data da segunda metade dos anos 1960, quando dava-se ênfase à ideia de um trabalho artístico cujo processo poderia ganhar muito com o uso de materiais e elementos não convencionais no campo da arte. Em 2014, Penone recebeu o prestigioso prêmio Praemium Imperiale. É possível conhecer de perto a obra de Penone aqui no Brasil, em Inhotim, Minas Gerais.

Giuseppe Penone trabalhando em escultura
Giuseppe Penone trabalhando

Em obras como “Albero” (Árvore), ele esculpe árvores para revelar os anéis de crescimento internos, enfatizando a conexão intrínseca entre a natureza e a experiência humana. Sua arte traz uma perspectiva única para a cena artística contemporânea, desafiando os espectadores a reconsiderar sua relação com o mundo natural em um contexto cada vez mais tecnológico.

Escultura de Penone
contemporânea italiana - Escultura de Giuseppe Penone
Giuseppe Penone com escultura
Escultura de Giuseppe Penone

Podemos começar a ver como a arte contemporânea italiana não é uma ruptura, mas uma conversa dinâmica com o Renascimento, demonstrando que, mesmo em meio à inovação e experimentação, a influência duradoura da tradição clássica continua a inspirar e moldar a expressão artística contemporânea.

Em conjunto, Cattelan, Clemente e Penone exemplificam a diversidade e a profundidade da arte contemporânea italiana. Suas obras desafiam as tradições, exploram novas fronteiras conceituais e, ao fazê-lo, enriquecem a paisagem artística global. Ao olharmos para além dos estereótipos e clichês associados à arte italiana, encontramos uma narrativa artística vibrante e em constante evolução, que continua a moldar e inspirar o cenário artístico contemporâneo em todo o mundo.

 Continue de olho nas nossas homenagens à herança cultural que construiu a Itália aqui no blog e confira nossas outras publicações nas redes sociais da ITALICA no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!

Aprendendo italiano no Val d’Orcia: o encanto didático da Toscana

Aprendendo italiano no Val d’Orcia: o encanto didático da Toscana

A Toscana, uma região encantadora no coração da Itália, é um cenário idílico onde a língua italiana se torna mais do que palavras; ela se entrelaça com a cultura, a história e a beleza deslumbrante do Val d’Orcia. Para aqueles que estão imersos no estudo do italiano, uma jornada por essa paisagem de colinas suaves e vilarejos medievais (muitas vezes comparados a paisagens de contos de fadas) não é apenas uma viagem, mas uma oportunidade única de aprendizado e descoberta.

Val d’Orcia

Val d´Orcia Pienza

O Val d’Orcia é uma região que abrange uma paisagem belíssima de colinas ondulantes, vales exuberantes e vilarejos pitorescos. Reconhecido como Patrimônio Mundial da UNESCO desde 2004, é uma área sempre lembrada por sua beleza cênica e suas características paisagens rurais que exemplificam uma tão sonhada harmonia entre os humanos e a natureza. Mas outra lição que o Val d’Orcia pode oferecer é o encontro com a língua viva, que ressoa nas conversas dos habitantes locais. Ao percorrer as ruas de Pienza, por exemplo, um tesouro do Renascimento italiano, onde o ar está impregnado com o aroma de queijo pecorino, com vistas espetaculares que se desdobram diante dos olhos a cada curva, as palavras italianas ganham vida. Em regiões como essa, a prática do idioma pode ocorrer mais naturalmente, enquanto se interage com os comerciantes locais, sem a pressa das metrópoles, tendo tempo e espaço para pedir conselhos sobre os melhores sabores ou para aprender mais sobre as tradições artísticas preservadas nas lojas de artesanato.

Mercadinho em Pienza
Mercadinho charmoso em Pienza
Vista de Pienza
Pienza vista ao longe

A imersão na língua italiana pode continuar nos vinhedos exuberantes que pontilham as colinas do Val d’Orcia. Em Montalcino, a terra do prestigiado Brunello di Montalcino, os amantes do italiano podem participar de degustações de vinho, não apenas apreciando os sabores robustos da região, mas também mergulhando nas nuances da língua enquanto discutem as características da colheita com os produtores locais. Aprender italiano no Val d’Orcia pode ser, portanto, uma experiência sensorial.

Val dOrcia
Montalcino
Uma das ruas de Montalcino

Aproveite para assistir à viagem do Prof. Darius degustando vinhos ao lado da Profa. Paola Baccin no Vêneto! Clique aqui para viajar com a gente!


Também assista ao Prof. Darius provando vinhos que foram cultivados ao som de música clássica! Isso aconteceu durante uma viagem na companhia da Babi Campanaro, do Blog Viva Toscana!
É só clicar aqui pra descobrir como foi essa degustação e, afinal, o que tem de especial nesse cultivo!

Paisagens dos sonhos

A região do Val d’Orcia, com suas colinas suaves, fileiras de ciprestes e vilarejos medievais, tem sido também uma fonte de inspiração para artistas, escritores e fotógrafos ao longo dos séculos.

A história que permeia cada rua de Montepulciano ou cada muralha de San Quirico d’Orcia é outra lição valiosa para quem busca compreender a riqueza cultural da Itália. Os monumentos medievais, igrejas antigas e praças vibrantes são testemunhas silenciosas de séculos de história, e a língua italiana torna-se uma ponte para desvendar essas narrativas. Guias locais compartilham histórias fascinantes em italiano, transformando as ruínas em crônicas vivas e proporcionando uma experiência de aprendizado que vai além das páginas dos livros.

Montepulciano
Montepulciano
San Quirico d´Orcia
San Quirico d’Orcia vista de cima

A beleza do Val d’Orcia não se limita apenas aos olhos; é um convite para explorar o idioma italiano com todos os sentidos. É como se fosse possível transformar cada passeio em aulas ao ar livre, sob a sombra de antigas oliveiras, ou caminhando pelas ruelas de cada comune, que proporcionam um ambiente de aprendizado incomparável. A vibração da língua surge naturalmente em meio às paisagens pitorescas e nos pequenos estabelecimentos, onde cada palavra é complementada pela brisa suave e pelos aromas envolventes do que se descobre pelo caminho.

Horti Leonini em San Quirico
Horti Leonini, localizado em San Quirico d’Orcia, é um jardim italiano que foi criado em 1580 por Diomede Leoni, e que até hoje é extremamente bem cuidado e aberto para visitações do público

Viajar pelo Val d’Orcia é, portanto, mais do que uma jornada turística; é uma aula prática de italiano que se desenrola nas ruelas de pedra e nos vinhedos banhados pelo sol. À medida que as palavras se tornam diálogos, e os diálogos se entrelaçam com a rica cultura toscana, o aprendizado do italiano transcende a sala de aula tradicional, transformando-se em uma experiência imersiva que perdura na memória e no coração.

Aprender italiano com a ITALICA pode ser assim, à distância ou em solo do Bel Paese, levando na bagagem o conhecimento que apresentamos em cada conteúdo.

Quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Aproveite para se inscrever no nosso Projeto Italiano 2024!

O legado de Gian Lorenzo Bernini na história da arquitetura

O legado de Gian Lorenzo Bernini na história da arquitetura

Você sabia que foi o escultor Bernini o responsável pelo projeto arquitetônico da Praça de São Pedro no Vaticano? Vamos voltar um pouco no tempo e traçar um início.

A história da arquitetura está entrelaçada com o legado artístico e inovador da Itália, um país que, desde os tempos do Império, serviu como epicentro para muitos movimentos e estilos arquitetônicos ao longo dos séculos. Nesse contexto riquíssimo, é impossível não destacarmos a figura de Gian Lorenzo Bernini, um dos mais notáveis arquitetos e escultores do período barroco, cujo trabalho continua a exercer uma influência monumental na paisagem arquitetônica global.

Gian Lorenzo Bernini

Retrato de Gian Lorenzo Bernini

O Barroco, um movimento artístico que floresceu nos séculos XVII e XVIII, foi marcado por uma estética teatral, ornamentação extravagante e uma ênfase nas emoções. Nesse cenário, Bernini emergiu como um líder incontestável, contribuindo não apenas para a escultura, mas também para a arquitetura com uma visão unificadora que transcendia os limites tradicionais dessas disciplinas.

Piazza San Pietro

Praça São Pedro no Vaticano

As contribuições arquitetônicas de Bernini são imortalizadas em obras como a Praça de São Pedro, no Vaticano. Seu design grandioso, com uma colunata que abraça os visitantes, não apenas cria uma sensação de boas-vindas, mas também incorpora simbolismos religiosos, revelando uma profunda compreensão da interação entre o espaço físico e as pessoas. A Praça de São Pedro é um testemunho da maestria de Bernini em unir elementos arquitetônicos e artísticos para criar experiências transcendentais.

Praça Vaticano São Pedro

Igreja de Santa Maria della Vittoria

Outra realização arquitetônica notável de Bernini é a composição da Capela Cornaro, na Igreja de Santa Maria della Vittoria, em Roma, onde Bernini colocou uma de suas esculturas mais conhecidas, L’Estasi di Santa Teresa d’Avila.

Igreja Santa Maria della Vittoria em Roma
A Igreja de Santa Maria della Vittoria
Êxtase de Santa Teresa de Bernini

“O Êxtase de Santa Teresa” é a peça central neste espaço sagrado, onde Bernini transcendeu as limitações físicas, dando vida à escultura e à arquitetura de maneira harmoniosa. É uma obra-prima que combina a escultura, a iluminação vinda de cima, por uma claraboia, e portanto a arquitetura para evocar uma experiência única. Bernini não apenas desenha o espaço, mas manipula a luz e a forma física da matéria para guiar as emoções dos espectadores, transformando a capela em um teatro celestial.

Estatua Êxtase de Santa Teresa de Bernini

A influência de Bernini estende-se para além das fronteiras italianas. O arquiteto desempenhou um papel significativo na formação do estilo barroco que se espalhou por toda a Europa e além. Seu conceito de fusão entre escultura e arquitetura influenciou gerações subsequentes de arquitetos, moldando a maneira como o espaço é percebido e experimentado. Os princípios inovadores de Bernini também deixaram uma marca indelével em arquitetos contemporâneos, que continuam a encontrar inspiração em sua abordagem integrada.

No entanto, o legado de Bernini vai além de suas realizações físicas. Seu trabalho influenciou a própria natureza da prática arquitetônica, destacando a importância da narrativa e da emoção na concepção de espaços. A busca incessante por uma fusão entre o divino e o humano permeia sua obra, revelando uma compreensão única da arquitetura como meio de comunicação espiritual.

São feitos monumentais que não apenas adornam as paisagens urbanas, mas também moldam a própria essência da disciplina. A genialidade de Bernini ressoa através do tempo, demonstração duradoura da capacidade humana de transcender as limitações físicas e dar forma à matéria bruta dos edifícios e à matéria metafísica da fé e das narrativas que perduram há milênios.

Continue de olho nas nossas homenagens a outras personalidades italianas, e à herança cultural italiana como um todo, aqui no blog e também em publicações nas redes sociais da ITALICA, no instagram e no YouTube, onde fazemos lives especiais semanalmente!

E quer aprender italiano e saber mais sobre a cultura e as características históricas únicas do Bel Paese? Inscreva-se na nossa lista de espera e no nosso newsletter!

A presto!